Médico esclarece sobre obesidade infantil, hoje em nível elevado

    Médico esclarece sobre obesidade infantil, hoje em nível elevado

    COMPARTILHAR

    Às vésperas do retorno do ano letivo, um tema deve fazer parte da lista de cuidados dos pais e educadores: a obesidade infanto-juvenil e o bullying, que consiste em atos de agressão e intimidação repetitivos contra uma pessoa. A situação ocorre comumente nos grupos escolares, mas pode se manifestar em outros ambientes. 

    Muitas vezes, a criança e jovem com sobrepeso ou obesidade, enfrenta ainda o preconceito além da necessidade de atenção à saúde e qualidade de vida. De acordo com informações do Ministério da Saúde, divulgadas em setembro de 2022, a obesidade em crianças e adolescentes é multifatorial, onde condições genéticas, individuais, comportamentais e ambientais podem influenciar no estado nutricional. 

    O relatório público do Sistema Nacional de Vigilância Alimentar e Nutricional, com dados de pessoas acompanhadas na Atenção Primária à Saúde (APS), aponta que, até meados de setembro de 2022, mais de 340 mil crianças de 5 a 10 anos de idade foram diagnosticadas com obesidade. Em 2021, a APS diagnosticou obesidade em 356 mil crianças dessa mesma idade. 

    A região Centro-Oeste ocupa o 4° lugar no ranking nacional, com cerca de 9,4% das crianças e jovens com sobrepeso e obesidade. O Sul do Brasil lidera com mais de 11,5% da população infanto-juvenil obesa. A Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) reconhece a obesidade como um problema de saúde pública. Por ser multifatorial, a doença exige intervenções integradas de diversos setores, além da saúde, para deter o avanço e garantir o pleno desenvolvimento durante a infância.

    Médico especialista na Saúde do Esporte, Dr. Hugo Alessy destaca que além de questões de saúde, hábitos inadequados colaboram para a incidência do problema, que pode se tornar doença se não controlado.  

    “A obesidade infantil hoje ganhou um patamar de epidemia devido ao número elevado de casos em todo o mundo. A causa e multifatorial, o que fez aumentar esse índice é a mudança no estilo de vida do mundo moderno. Ou seja: sedentarismo, alimentação incorreta, falta de sono e ainda podemos apontar a ansiedade e/ ou depressão. Outro ponto importante é a atividade física, já que as brincadeiras das crianças mudaram no decorrer dos anos. Há alguns anos, as crianças brincavam nas ruas, correndo e pulando enquanto hoje, elas passam muito mais tempo sentadas no sofá, de olho nos televisores, laptops ou videogames. Com o passar dos anos, houve uma drástica mudança nos comportamentos alimentares das casas, em todo o mundo e as crianças e jovens passaram a ter contato com alimentos industrializados e hipercalóricos, e se afastaram da alimentação saudável, como frutas, saladas e alimentos ricos em nutrientes”, avalia o médico.

    Saúde emocional – Ainda segundo Dr. Hugo Alessy, é comum na medicina o relato de crianças e adolescentes que sofrem preconceito e até mesmo práticas violentas devido a obesidade e o apoio e orientação emocional às vítimas é essencial para evitar danos maiores. De acordo com levantamento da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), realizada em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 40% dos estudantes brasileiros (maioria adolescentes) admitiram já ter sofrido com a prática de bullying, baseado nas mais variadas causas.

    “O bullying é muito presente na infância principalmente quando relacionado a alguma característica física, sendo pior para as crianças obesas. A melhor forma de tentar combater essa prática e com muito acolhimento e menos julgamento. O diálogo e a conscientização são essenciais. É preciso que a rede de apoio (pais, professores, colegas e demais atores sociais) esteja alinhada para prestar o cuidado adequado tanto à vítima do bullying como também ao agressor, pois, essa agressividade pode estar camuflando outras necessidades. O bullying nessa fase pode tanto acentuar o quadro de obesidade como desenvolver sérios danos em toda a vida adulta”, orienta.  

    Tão preocupante quanto a violência do bullying e os riscos relacionados à obesidade precoce é a falta de atenção dos pais ou responsáveis pelas crianças que, segundo Dr. Hugo Alessy, ainda acreditam que ‘a criança forte’ é mais saudável. 

    “Poucos pais se atentam à situação e buscam suporte médico. Infelizmente ainda há a cultura de que criança ‘gordinha’ é sinônimo de saúde. É mais comum pais levarem as crianças ao consultório preocupados que seus filhos estão magros demais, que não comem e chegando até a pedir medicação para abrir o apetite das crianças, quando na verdade as crianças estão com o peso adequando para a idade”, esclarece.

    Saúde e mudança de hábitos

    Emagrecer não é tarefa fácil e exige disciplina e apoio, em especial para as crianças e adolescentes. Manter o peso ideal não se trata de questões estéticas e sim, de atenção à fase determinante da vida, onde o ser humano está em formação física e emocional.

    “A família é a base de tudo e os pais ou responsáveis quem devem orientar a alimentação dos filhos. A criança vai comer o que lhe é ofertado e se na casa a alimentação não é saudável, não há como os filhos seguirem uma rotina de alimentação adequada. Cabe ainda aos pais incentivar a prática de atividades físicas, os esportes, as brincadeiras longe da televisão, do computador e dos celulares e até mesmo limitar o tempo de uso desses eletrônicos”, indica o profissional da saúde. 

    O protocolo para tratar a obesidade e sobrepeso consiste na mudança do estilo de vida, pois, o acompanhamento das crianças com excesso de peso envolve vários aspectos e é sobretudo comportamental, enfocando reeducação nutricional e na prática de atividade física e redução do uso de eletrônicos, lembrando que é importante que toda a família deve estar envolvida.

    “A busca por auxílio médico e de fundamental importância e a orientação de um profissional capacitado e de estrema relevância para mudar esse quadro”, finaliza o médico. Vale ressaltar que a orientação médica cabe tanto para os casos de obesidade quanto de bullying. Toda atenção às crianças e jovens é indispensável.  

    Trocas importantes – Mesmo que iniciadas aos poucos, a troca de hábitos é o início do tratamento para a obesidade. O descascar alimentos é sempre muito mais saudável que o desembalar. Os biscoitos, snacks e salgadinhos podem e devem dar vez às frutas ou saladas de frutas. Assim como os nuggets, fastfoods e alimentos ultra processados devem ser substituídos por alimentos ricos em fibras, vitaminas e componentes indispensáveis para a saúde das crianças e de seu corpo e mente em formação. 

    Aquela caminhada, passeio de bike, partida de futebol ou queimada entre familiares e amigos é muito mais saudável sob todos os aspectos do que horas diante das telas e jogos eletrônicos. O importante é iniciar, mesmo que aos poucos e contar com orientação profissional que indicará a melhor alimentação e atividades a serem desenvolvidas. 

    UNA Comunicação