Ação internacional prende 17 ligados ao narcotráfico suspeitos na morte de promotor

Ação internacional prende 17 ligados ao narcotráfico suspeitos na morte de promotor

COMPARTILHAR
Diego, suposto piloto de grupo brasileiro.

A Polícia Nacional da Colômbia anunciou no final da manhã desta terça-feira, a prisão de 17 pessoas de diversas nacionalidades ligadas a diferentes grupos de tráfico internacional de drogas, incluindo um piloto que fazia parte de uma quadrilha que foi investigada pelo promotor paraguaio Marcelo Pecci.

Segundo Jorge Luis Vargas, diretor da Polícia na Colômbia, entre os detidos estão 12 colombianos, dois venezuelanos, um italiano, um dominicano, um holandês e um albanês. Entre eles destaca-se Diego Mauricio Blanco, suposto piloto do Clã Rocha do Brasil, que teria ligações com o Primeiro Comando da Capital (PCC) e que foi investigado pelo promotor assassinado.

A mídia colombiana indica que as capturas aconteceram em Bogotá, Cundinamarca, Valle del Cauca, Risaralda, Antioquia, Bolívar, Atlântico e Nariño. Em comunicado divulgado nas redes sociais, o chefe da Polícia colombiana garantiu que entre os detidos estão os criminosos Brunos do Peru, o Clã Rocha do Brasil, o grupo NL da Holanda, a ‘Ndrangheta da Itália e outra rede que atua na República Dominicana.

O chefe de polícia assegurou que os capturados são procurados por vários países e suspeitos de envolvimento no tráfico internacional de cocaína. Da mesma forma, presume-se que a lavagem de dinheiro ocorreria no Paraguai.

Ainda segundo Vargas, “a droga foi enviada para esses países por meio de navios cargueiros, veículos com esconderijos, com cocaína escondida em alimentos, equipamentos de farmácia, materiais de construção e outras formas de ocultação”.