Colômbia militariza fronteira com Brasil e Peru devido a aumento de casos...

Colômbia militariza fronteira com Brasil e Peru devido a aumento de casos de Covid

COMPARTILHAR

Agência Brasil

O presidente colombiano Iván Duque afirmou que, além do reforço militar nas fronteiras, é preciso endurecer as medidas de isolamento preventivo obrigatório, e o uso de máscaras e distanciamento social, pela população que vive na fronteira.

A Colômbia tem, até o momento, mais de 12 mil casos confirmados de contaminação pela Covid-19, e quase 500 mortes, enquanto o Brasil tem mais de 178 mil casos e mais de 12 mil mortes. Já o outro país vizinho, o Peru, registra 72 mil casos e ultrapassou os 2 mil óbitos.

Na Colômbia, a população está em isolamento desde 24 de março, duas semanas após a detecção do primeiro caso de Covid-19. O estado colombiano do Amazonas, com maioria de população pobre e indígena, tem a maior taxa de infecção per capita no país, com 94 pessoas infectadas para cada 10.000 habitantes.

A cidade de Letícia, capital do estado colombiano do Amazonas, encara ainda o problema de infecções no presídio, que afeta mais da metade dos detentos. São pelo menos 90 casos confirmados entre os 181 privados de liberdade. A prisão, que tem capacidade para abrigar 118 reclusos, está superlotada.

Também em Letícia, onde vivem mais de 76 mil pessoas, há apenas um hospital público, sem unidades de terapia intensiva. Após reunião com o governador do estado do Amazonas, Jesús Galdino, e com o prefeito de Leticia, Jorge Luis Mendoza, o presidente Iván Duque prometeu ampliar a capacidade hospitalar do estado, utilizando a infraestrutura de hotéis da região.

O Ministério da Saúde colombiano enviou à região de fronteira um avião com 17 profissionais de saúde, entre médicos, bacteriologistas e enfermeiros, e da Defesa Civil para fortalecer o atendimento da região. Também foram enviados à região testes e máquinas de detecção de Covid-19, drones de nebulização térmica, para fazer a desinfecção de locais.