Dono do Shopping China nega ligação com Messer e envolvimento na Lava...

Dono do Shopping China nega ligação com Messer e envolvimento na Lava Jato

COMPARTILHAR
Felipe Cogorno, na lista da Interpol.

Antônio Coca

O empresário paraguaio Felipe Cogorno que teve a prisão preventiva decretada ontem pelo juiz da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro dentro da Operação El Patrón, em mais uma fase da Operação Lava Jato, emitiu nesta quarta-feira (20) uma nota onde refuta todas as acusações da justiça brasileira e negou qualquer ligação com o doleiro Dario Messer.

O nome do mega empresário dono do Shopping China considerado o maior da América do Sul e de um conglomerado de empresas de diversos ramos de atividades em vários países, apareceu na lista de pessoas que teriam de uma forma ou de outra ajudado e dado abrigo a Messer enquanto ele esteve escondido no Paraguai. O ex-presidente e senador vitalício daquele país Horácio Cartes também teve a prisão decretada.

Segundo a nota distribuída esta tarde para a imprensa paraguaia: Ele não tem amizade, não tem relacionamento com o Sr. Dario Messer, nunca teve nenhuma comunicação com ele.

Nunca recebeu ou realizou nenhuma transação financeira com o doleiro e que a única razão pela qual eles incluíram seu nome é porque ele conhece um advogado que o chamou no Brasil no início do ano e pediu recomendações sobre entidades bancárias que operam legalmente no Paraguai às quais ele indicou a Casa de Câmbios Fe Câmbios.

Cogorno disse também que é lamentável e absurdo estar envolvido em uma situação onde que não tem nada a ver ele. Por fim, afirma que está disponível para as autoridades do Paraguai e do Brasil, a fim de esclarecer quaisquer dúvidas que possam surgir sobre esses fatos.

Segundo investigações da Polícia Federal, com a ajuda de Felipe Cogorno, Dario Messer teria feito aplicações milionárias de dólares com cambistas do Paraguai. O caso segue em investigação.