Família de pecuarista morto na fronteira denuncia trapalhada criminosa da polícia

Família de pecuarista morto na fronteira denuncia trapalhada criminosa da polícia

COMPARTILHAR
Estância Sereno

Policiais paraguaios estão sendo acusados de promoverem mais uma trapalhada na fronteira com o Brasil em Mato Grosso do Sul, desta vez matando um pecuarista. A operação denunciada como fracassada e criminosa ocorreu na Estância Sereno, distante 50 km da Linha Internacional, onde, na manhã de hoje (28), o pecuarista Patrício Santos Lugo González, de 80 anos, e o suboficial da Polícia Nacional Basílio Brizuela morreram durante confronto.

A polícia paraguaia informou que o confronto aconteceu quando agentes do Grupo Tático Falcón, de Concepción, cumpria mandado de busca atrás do sequestrador Carlos Galeano Barrios, acusado de liderar a quadrilha que matou o fazendeiro brasileiro Dilson Bello dos Santos, em julho deste ano.

Entretanto, familiares de Patrício Santos Lugo afirmam que a operação foi mais um erro da polícia na fronteira. Em entrevista a rádios do Paraguai, o filho do pecuarista, Marcos Lugo, disse que o pai era cidadão de bem e atirou nos policiais pensando que se tratava de mais um assalto.

Os tiros acertaram o suboficial Basílio Brizuela, que morreu na hora. Os outros policiais revidaram aos disparos e mataram o pecuarista.

A propriedade rural onde Patrício e o policial morreram fica na Colônia Maria Auxiliadora, perto da Ruta 5ª, rodovia que liga Pedro Juan Caballero a Concepción. Inicialmente havia informação de que a operação teria sido em Capitán Bado, mas na verdade foi em Pedro Juan Caballero, capital do departamento de Amambay.

Fonte: Ponta Porã Informa