Nem os chifres se salvam do narcotráfico internacional

Nem os chifres se salvam do narcotráfico internacional

COMPARTILHAR
Esconderijo até então novidade. (Fotos: Divulgação/SENAD)

Operação realizada na manhã desta segunda-feira (17) no Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi, em Assunção, Paraguai, resultou na apreensão de drogas acondicionadas em encomendas e bagagem de mão. Até um chifre ornamental era usado por narcotraficantes para transporte de cocaína.

As drogas foram localizadas durante ação de Agentes Especiais e cães farejadores sob coordenação da DINAC e Alfândegas. Três pacotes, de Los Angeles, Califórnia, constavam no despacho como caixas com cadernos para colorir, mas embaixo deles estava maconha embalada a vácuo. A droga seria de alta concentração de THC, sendo apreendidos 14,872 Kg de maconha.

Teor de pureza 1000%.

De acordo com autoridades que atuam no caso, esse tipo de droga tem custo que oscila entre 5 e 8 mil dólares americanos o quilo na região. Um dos pacotes tinha como destino a Líbia, no Norte da África. Um caixa estava despachado um par de chifre ornamental com acabamento em couro, mas que escondia 1,192 quilo de cocaína pura, avaliada preliminarmente em cerca de 80 mil dólares.

As bagagens e encomendas foram fiscalizadas na presença do Juiz Gustavo Amarilla e dos procuradores Elva Cáceres e Lorena Ledesma. No caso da maconha dos Estados Unidos, ela pertenceria à mesma estrutura, responsável por pelo menos quatro tentativas anteriores de envio.