Perícia confirma identidade de corpo em tambor e prende envolvidos

Perícia confirma identidade de corpo em tambor e prende envolvidos

COMPARTILHAR
Alex teve corpo esquartejado depois de desenterrado.

Antônio Coca

Nesta quinta-feira (5) Peritos em Papiloscopia do Instituto de Criminalística de Ponta Porã confirmaram a identidade da vítima executado de forma extremamente violenta através do tribunal do crime. A vítima teria sido desenterrada, queimada e colocado no tambor posteriormente abandonado na região do Rodoanel em Ponta Porã onde foi encontrada por populares.

Alex Ziole Areco Aquino de 14 anos, estava desaparecido desde o dia 23 de novembro depois de deixar uma festa aniversário. Ele teria sido sequestrado em Ponta Porã por homens que estavam em uma caminhonete e não foi mais visto.

A identificação foi possível através das digitais do dedo indicador da mão direita que estava intacto, já que o corpo depois de enterrado foi enterrado pelos criminosos e devido à grande pressão da sociedade, do trabalho dos investigadores e com medo de serem descobertos os assassinos desenterraram o corpo esquartejaram e colocaram em um galão plástico que foi abandonado em Ponta Porã nas proximidades da BR 463.

Ainda segundo a polícia Alex foi morto após uma briga entre e o adolescente identificado apenas como D. C. D de 15 anos e que foi apreendido na tarde de ontem. Os dois teriam se desentendido dentro do banheiro da Escola Calvoso em Ponta Porã ambos estudavam na mesma sala no período matutino.  A briga teria acontecido no dia 22 do mês passado um dia antes do desaparecimento do adolescente.

Também foram presas em Pedro Juan Caballero Diana Clavel Pimentel Acosta de 24 anos e a irmã dela Denise Pimentel Acosta. Diana seria namorada do suspeito do crime o brasileiro Genaro Lopes Martins que está foragido.

Policiais brasileiros e paraguaios que trabalham na investigação não descartam que Alex tenha sido morto depois de condenado por um “tribunal do crime” de uma facção criminosa.