Piloto e mecânico campo-grandenses presos na Venezuela acusados de narcotráfico

Piloto e mecânico campo-grandenses presos na Venezuela acusados de narcotráfico

COMPARTILHAR

Dois brasileiros, piloto e mecânico de avião em Campo Grande, foram presos na Venezuela por equipes do Destacamento de Segurança Urbana do 32º Comando da Zona da Guarda Nacional Bolivariana, após a aeronave pousar em uma estrada rural transformada em pista clandestina no estado de Cojedes. Estão presos o piloto Luizimar Cassius Nastick, de 40 anos e o mecânico de avião Jeferson Pontes Gonçalves, de 29 anos, que no Brasil atuavam nos Aeroportos Teruel e Santa Maria, em Campo Grande. Na Venezuela eles estão enquadrados em tráfico de cocaína e combustível de aviação. A dupla estava com o Sêneca matrícula PT-EZU, em nome de uma mulher de São Paulo, que pode ser uma laranja do narcotráfico.

“SUMIDOS”

Tanto o piloto como o mecânico bastante conhecidos no meio aeronáutico em Campo Grande, eram dados como “sumidos” por amigos e colegas, mas ninguém falava em algum tipo de problema com os dois. O sumiço acabou virando comentário sério no meio, mas já com detalhes de que a dupla vez ou outra aparecia rapidamente em Campo Grande, inclusive em avião fretado, além de o mecânico ostentar dólares em bolsas.

Comentários chegaram ao conhecimento da DECO – a Delegacia Especializada de Repressão ao Crime Organizado – que sob o comando da delegada Ana Cláudia Medina, passou a fazer levantamentos e pesquisas nas áreas de fronteiras com o Brasil, principalmente nas chamadas “rotas do narcotráfico”. Os investigadores passaram a suspeitar ainda mais da situação a partir da constatação de que apesar da preocupação dos colegas por conta do “sumiço” dos dois, as famílias não demonstravam a menor preocupação ou interesse em algum tipo de procura.

A Investigação ainda descobriu que piloto e mecânico pousavam no aeroporto de Cáceres, em Mato Grosso, onde fretavam aeronaves que os trazia em Campo Grande, mas poucas vezes apareciam nos aeroportos de costume. Por fim, os levantamentos da DECO revelaram que a dupla “sumida” na verdade foi presa pelas Forças de Segurança da Venezuela, no dia 16 de novembro, na zona rural da localidade de Guasimo Mayita, município de Giradot, Estado de Cojedes por envolvimento no narcotráfico. Na aeronave os militares encontraram tambores com quase 500 litros de combustível.