Primeira operação conjunta histórica contra o narcotráfico entre Paraguai e Argentina

Primeira operação conjunta histórica contra o narcotráfico entre Paraguai e Argentina

COMPARTILHAR
Narcoprodutores passaram usar a rota Paraguai/Argentina.

Antônio Coca

A SENAD do Paraguai e a Gendarmaria Nacional da Argentina começaram uma operação sem precedentes contra a produção e o tráfico de maconha. Dois helicópteros da Gendarmeria e observadores argentinos acompanham a tarefa de um grupo antidrogas da SENAD que se estabeleceu na área de capitão Meza para iniciar ataques e exterminar centros de produção de maconha destinados principalmente ao mercado argentino.

A operação é concluída após a visita da Ministra Patricia Bullrich a uma ação semelhante realizada pela SENAD na parte norte do país, com o apoio da Polícia Federal do Brasil.

Equipes destroem plantações em franca produção.

As ações, que devem durar vários dias, começaram na área conhecida como Arroyo Claro, dentro da Reserva Nacional de San Rafael, onde as equipes destruíram 7 campos de drogas onde já estavam prontos pare remessas, 2.935 quilos de maconha. Essas florestas protegidas são frequentemente atacadas por estruturas de tráfico de drogas que as atacam para cultivar mais tarde maconha.

Da mesma forma, 22 hectares de plantações de maconha foram destruídos; se não tivessem sido eliminados, deixariam uma produção final de 66 toneladas da droga. Com isso, em apenas um dia de operação, a produção de 69 toneladas de maconha poderia ser interrompida, causando um prejuízo ao narcotráfico de aproximadamente 2 milhões e 70 mil dólares. A operação conjunta será prorrogada por mais alguns dias no departamento de Itapúa.

Fardos ao invés de Brasil, começam ser enviados para a Argentina, na tentativa de dissimular rotas.