Senado paraguaio expulsa senador que agrediu policiais e incitou morte de brasileiros

Senado paraguaio expulsa senador que agrediu policiais e incitou morte de brasileiros

COMPARTILHAR
Ameaçador, agora ex-senador Cubas chora como criança.

O Senador Paraguayo Cubas, que foi flagrado em vídeo agredindo policiais paraguaios e ameaçando incitado assassinatos de brasileiros no País vizinho, foi cassado pelo Senado do Paraguai na tarde desta quinta-feira (28). A expulsão do senador foi aprovada com 23 votos favoráveis, três abstenções e apenas um voto contrário.

Na última segunda-feira (25), Cubas discutiu com policiais na cidade de Minga Porã após acusar brasileiros de desmatamento ilegal. Ele queria que a polícia impedisse que uma carreta carregada de toras saísse. Os policiais explicaram que a madeira era de uma área legal. O então senador ficou irritado e passou a agredir os policiais com tapas na cabeça e face, além de fazer ameaças de morte aos brasiguaios. “Deveriam ser mortos pelo menos uns 100 mil brasileiros” foi uma das frases ditas pelo Senador.

Além da agressão aos policiais e ameaça aos brasileiros, os senadores incluíram nos argumentos para a expulsão do senador a agressão a uma deputada ocorrida na semana anterior. Segundo os parlamentares, Paraguayo Cubas já havia sido punido em duas ocasiões anteriores por falta de decoro.

Votaram favorável à cassação os senadores do partido Colorado Añetete (que em Guarani quer dizer verdadeiro) Enrique Bacchetta, Silvio Ovelar, Juan Afara e Martín Arévalos. Além deles, os cartistas Enrique Riera, Sergio Godoy, Javier Zacarías, Antonio Barrios, Arnaldo Franco, Óscar Salomón e Lilian Samaniego. Os liberais Blas Llano, Abel González, Zulma Gómez, Blas Lanzoni, Blas Llano, Hermelinda Osorio, María Bajac e Juan Bartolomé Ramírez também votaram pela cassação. Ainda votaram favorável os Senadores Fidel Zavala, Georgia Nani Arrúa, Stephan Rasmussen e Patrick Kemper.

Apesar do ódio manifestado, Cubas não sai de Camboriú e tem filha casada com brasileiro.