Alunos da Escola do Sesi de Aparecida do Taboado emplacam outro trabalho...

Alunos da Escola do Sesi de Aparecida do Taboado emplacam outro trabalho em revista científica

COMPARTILHAR

Os alunos da Escola do Sesi de Aparecida do Taboado emplacaram mais um trabalho em revista científica. O primeiro foi o projeto “Prototipagem de Recipientes Isolados para Plantio de Hortaliças Facilitadores do Manejo de Hortas Focado na Economia de Recursos Hídricos e Minerais”, desenvolvido em 2018 pelos alunos Bianca de Lima Lázaro Ferreira, Elder Paula Tomaz dos Santos Silva e Mateus de Oliveira Arantes e que será publicado na próxima edição da Revista Científica Brazilian Journal of Development.

Já o segundo trabalho será publicado pela Revista Científica “O Biológico”, do Instituto Biológico da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, e tem como proposta usar como repelente aos carunchos de alimentos o estrato da fruta noni (Morinda citrifolia), que é originária do Sudeste da Ásia, Indonésia e Polinésia, onde tem sido utilizada devido às supostas propriedades medicinais e terapêuticas. Desenvolvido pelos alunos Igor Guissane Bruno, João Victor Ramos Sidrônio dos Santos e Diego Soares Ribeiro, a pesquisa aponta que o estrato da fruta noni pode ser usado na produção de uma embalagem para alimentos como arroz, feijão, farinha e milho.

Essa embalagem será capaz de inibir a criação de carunchos, que são insetos coleópteros pentâmeros que se alimentam de cereais armazenados, como arroz, feijão, farinha e milho, reduzindo-os a pó e causando prejuízos. Com a orientação do professor Vinicius Agostini Machado, que leciona a disciplina de Biologia e Ciências da Natureza na Escola do Sesi de Aparecida do Taboado, esse projeto foi apresentado no 18° Congresso de Iniciação Científica em Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais, em 2020, e é finalista da maior e mais importante feira de ciências do Brasil, a Febrace (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia).

O professor Vinícius Agostini Machado reforça o desempenho dos alunos, que há dois anos se dedicam ao desenvolvimento da pesquisa. “Ver nosso trabalho em uma revista científica junto a outros trabalhos desenvolvidos por pesquisadores universitários e até mesmo mestres e doutores comprova que estamos no caminho certo”, completou, não deixando de citar que o mesmo trabalho está entre os finalistas da Febrace. “Foi uma grande conquista, porque em um ano de pandemia, quando muitas atividades foram interrompidas, nós conseguimos manter o andamento da pesquisa, mesmo que de forma remota”, pontuou.

Segundo o estudante Igor Guissane Bruno, que é aluno da 3ª série do Ensino Médio da Escola do Sesi de Aparecida do Taboado, o grupo está fazendo os últimos ajustes para a apresentação do projeto na Febrace e agora foi surpreendido com a notícia de publicação do projeto na Revista Científica “O Biológico”. “Ser finalista na Febrace é uma experiência incrível, afinal, mesmo com todas as adversidades e inseguranças do ano anterior, conseguimos continuar nossa pesquisa e tenho certeza que participar da feira vai trazer mais visibilidade e benefícios para o nosso trabalho. Porém, saber que o nosso trabalho ganhou espaço em uma revista científica não tem preço”, comemorou.

O estudante Diego Soares Ribeiro, que finalizou o Ensino Médio na Escola do Sesi de Aparecida do Taboado no ano passado, acrescenta que ser finalista da Febrace e ganhar um espaço na Revista Científica “O Biológico” coroam todo o esforço que o grupo teve para desenvolver o projeto. “Ver nosso projeto em uma revista científica de abrangência internacional como essa é muito relevante para o nosso trabalho. É mais um passo que estamos conquistando com a nossa pesquisa”, finalizou.