Aparelho de monitoramento é furtado da casa de advogada executada na fronteira

Aparelho de monitoramento é furtado da casa de advogada executada na fronteira

COMPARTILHAR
Interior da casa foi revirado

Antônio Coca

A execução da advogada Laura Casuso, de 54 anos, morta no último dia 12 por pistoleiros em Pedro Juan Caballero segue cercada de mistérios. Desta vez a Polícia Civil de Ponta Porã descobriu que a casa dela naquela cidade foi invadida e do local foi levado entre outras coisas foi levado do local o aparelho de DVR que registrava as imagens das câmeras de monitoramento da casa. O local também foi todo revirado.

Laura era advogada dos traficantes Jarvis Gimenes Pavão e Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto ambos extraditados para o Brasil pela justiça paraguaia. Ela foi alvejada por vários disparos e morreu depois de ser operada em uma clínica particular de Pedro Juan Caballero.

Agora a Polícia Civil de Ponta Porã vai investigar a invasão à casa da advogada para saber se o desparecimento do aparelho que podiam ter imagens que pudessem levar a pistas sobre a morte dela tem alguma ligação com o assassinato dela. A Polícia do Paraguai investiga o crime de pistolagem, mas não divulgou se existem suspeitos e nem como estão as investigações.