Após cinco dias internado, morre o prefeito de Pedro Juan Caballero

Após cinco dias internado, morre o prefeito de Pedro Juan Caballero

COMPARTILHAR

O prefeito de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo, morreu por volta das 22h20 deste sábado, após lutar pelo vida devido o ataque por pistoleitos sofrido na terça-feira em frente ao Palácio de Justiça de Amambay. Acevedo passou por momentos delicados de saúde internado em um hospital particular de Pedro Juan Caballero por 5 dias. Por fim, sua morte foi confirmada por parentes neste sábado. O corpo do chefe comunal será velado a partir da 1h00 deste domingo no Município do PJC.

Durante toda a internação Acevedo esteve em estado delicado, em cuidados intensivos e em coma induzido, de acordo com os relatórios médicos entregues nas últimas 24 horas. No relato inciial consta que o prefeito foi atimgido com sete tiros na parte superior do corpo, braços direito, esquerdo e quatro na região do pescoço.

Ainda segundo os médicos, Acevedo teria sofrido lesões graves nas veias perdendo muito sangue, além de complicar sua situação devido à hipertensão e a um problema cardíaco. Nas primeiras horas após o atentado de terça-feira, o o prefeito de Pedro Juan Caballero teve uma parada sendo reanimado após 25 minutos, tendo os médicos já alertado que a situação era muito delicado.

Na tarde deste sábado (21), Acevedo passou por exame tomográfico do cérebro para avaliar seu estado, mais tarde sendo confirmada a morte cerebral. Por volta das 22h20 deste sábado, familiares do prefeito confirmaram sua morte, segundo o portal Última Hora.

Governador

“Meu irmão está descansando agora”, disse seu irmão e governador de Amambay, Ronald Acevedo, à imprensa. O corpo do prefeito será velado nete domingo no Município.

Mandatos

José Carlos Acevedo estava em seu quarto mandato. Desde 2006 à frente do Município de Pedro Juan Caballero. Ele chegou a ser autuado em 2020, em plena pandemia de Covid-19, por resistência e violar confinamento. Ele é irmão do falecido parlamentar Robert Acevedo e do governador de Amambay, Ronald Acevedo.