Assaltante que enfrentou BPMChoque no Bairro Amambaí, morre no Regional

Assaltante que enfrentou BPMChoque no Bairro Amambaí, morre no Regional

COMPARTILHAR

Erli Alves, 27 anos, assaltante baleado em confronto com equipe do Batalhão de Choque na tarde desta terça-feira (25), no Bairro Amambai, morreu no Hospital Regional para onde foi socorrido pelos policiais. Ele e os comparsas Luís Felipe, 18 e Rian, de 19 anos, foram localizados pelo Choque minutos após terem cometido três assaltos a mão armada em que encostavam armas na cabeça das vítimas.

Equipes do Batalhão de Choque da PM estavam em patrulhamento no Bairro Amambaí quando foram surpreendidas por populares e vítimas correndo na rua pedindo socorro pois bandidos estavam assaltando comércios e pessoas. Policiais foram em direção aos locais apontados em seguida surpreendendo o trio que acabava de cometer os assaltos.

Dois se renderam prontamente, mas Erli, armado com revólver apontou para os policiais quando um deles revidou atingindo o peito do assaltante. Desarmado, ele foi levado às pressas para o Hospital Regional, mas não resistiu.

As vítimas relataram que o trio havia acabado de assaltar dois estabelecimentos comerciais, sendo a primeira vítima de 19 anos, atacada dentro de uma reciclagem tendo armas apontadas para a cabeça e roubado seu celular, documentos pessoais e dinheiro, apreendidos em poder de Luiz Felipe.

Outras vítimas de 31 e 41 anos foram rendidas em uma barbearia e obrigadas a entregar celulares, que foram apreendidos com Rian. Os dois assaltantes e os bens recuperados foram entregues na Depac-Centro.

Várias prisões

A polícia constatou que Erli possuía diversas passagens por crimes de roubo, tráfico de drogas, receptação e estaria com inquérito em andamento. Já Rian Eduardo, foi preso por furto em 2.016, roubo em 2.017, porte de arma em 2.018 no mesmo ano preso por tráfico de drogas, em 2020 furto, todos na cidade de Corumbá. No dia 3 de setembro do ano passado ele foi preso por furto em Campo Grande e no dia 19 do mesmo mês e ano, novamente preso, desta vez por receptação.

Erli tinha várias passagens pela polícia.