Atentado em Coronel Sapucaia deixa duas mulheres mortas e dois feridos

Atentado em Coronel Sapucaia deixa duas mulheres mortas e dois feridos

COMPARTILHAR
Alvo principal seria homicida que não morreu

Antônio Coca

Uma atentado ocorrido no começo da noite deste sábado (9) em uma residência na rua Genival Nogueira da Silva na Vila Industrial em Coronel Sapucaia deixou duas mulheres mortas e um casal ferido, sendo que a mulher identificada apenas como Ana Carla está em estado grave e foi transferida do Hospital Aparício Vidal Garcia para o Hospital Regional de Ponta Porã.

As vítimas estavam em uma caminhonete parada em frente a residência e também dentro da casa quando foram atacadas por pelo menos quatro homens que chegaram em uma caminhonete e armados com pistolas e fuzil. Dezenas de tiros foram disparos. Duas mulheres morreram na hora e o casal foi socorrido por populares e levados para o hospital local. Policiais civis e militares além de perícia estiveram no local.

Foragido

Vítimas tiveram corpos crivados de balas

A Polícia Nacional do Paraguai informou que um dos feridos no atentado na noite deste sábado em Coronel Sapucaia era foragido da Justiça daquele país e foi levado para o Hospital Regional de Capitan Bado e não corre risco de morte. Patrício Segóvia Sanchez de 33 anos era condenado por homicídio ocorrido em 2016 e estava foragido. Ele recebeu ordem de prisão ainda no hospital.

Uma brasileira ainda não identificada morreu no local juntamente com a paraguaia Tomasa Insaurral de Segóvia de 27 anos. Outra brasileira identificada como Ana Carla Souza de 18 anos foi transferida em estado grave para o Hospital Regional de Ponta Porã onde está passou por cirurgia.

As vítimas estavam em uma caminhonete parada diante da residência e também dentro da casa quando foram atacadas pelos homens que chegaram em uma caminhonete e armados com pistolas e fuzil. Os policiais recolheram dezenas de cartuchos deflagrados de pistola e também de fuzil. Depois do atentado os criminosos fugiram para o lado paraguaio da fronteira. O caso pode ter ligação com o crime organizado na região.