Avião da FAB já está voando rumo à Polônia para repatriar pessoas...

Avião da FAB já está voando rumo à Polônia para repatriar pessoas e levando doações

COMPARTILHAR

A aeronave KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira (FAB), que fará a repatriação de pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia, decolou agora pouco rumo à Polônia. Segundo o Ministério da Defesa, serão repatriados 40 brasileiros, 23 ucranianos, um polonês e seis cães. O avião tem capacidade para transportar 72 pessoas além da tripulação. Antes de pousar em Varsóvia, capital polonesa, o avião fará paradas técnicas no estado de Recife, em Cabo Verde, na África, e em Lisboa, Portugal.

A previsão é que a aeronave chegue ao destino final na quarta-feira (9) e volte ao Brasil na quinta (10). Cerca de 500 brasileiros viviam na Ucrânia, mas desde que tropas russas invadiram o país em 24 de fevereiro, muitos estão deixando o país e se dirigindo para Varsóvia, capital polonesa – mesmo destino do avião da FAB.

Animais de estimação também poderão embarcar. Dessa forma, fica dispensada a apresentação do Certificado Veterinário Internacional (CVI) e a apresentação da carteira de vacinação ou qualquer outra certificação sanitária durante a operação de repatriação.

O avião leva 11,6 toneladas de medicamentos para atendimento emergencial, alimentos e itens de necessidade básica com tecnologia para funcionamento autônomo – utilizados em locais sem recursos e em situações extremas, como guerras e conflitos, como ajuda humanitária à Ucrânia.

Faz parte da carga enviada para a Varsóvia 50 purificadores de água, de tecnologia e fabricação nacionais (com capacidade combinada para purificar cerca de 300 mil litros de água por dia); 50 kits voltaicos com painel solar para abastecer o equipamento de energia de forma autônoma; 10 toneladas de alimentos desidratados de alto teor nutritivo (400 mil refeições); e 5 kits de medicamentos para emergências médicas, oriundos dos estoques públicos administrados pelo Ministério da Saúde, sem comprometer o abastecimento nacional.

Para o Chefe da Seção de Operações do Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT), Major Aviador Daniel Elias Souza, a condução da missão humanitária gera um sentimento de satisfação muito grande para o Esquadrão Zeus. “O planejamento, parte fundamental do processo, foi um desafio que demandou atenção em cada detalhe e, nesse contexto, toda nossa equipe tem trabalhado ininterruptamente para que a missão seja cumprida de maneira eficiente, em segurança e sem óbices. Nesse momento, estamos convictos que a bandeira do Brasil mais uma vez será erguida a um alto patamar pelas nossas tripulações, representando, internacionalmente, todo profissionalismo, altruísmo e dedicação dos diversos setores da Força Aérea Brasileira”, destacou.