Brasil de fora da lista de países que receberão primeiras vacinas da...

Brasil de fora da lista de países que receberão primeiras vacinas da Índia

COMPARTILHAR
Ainda não será desta vez que o Brasil receberá vacina da Ìndia.

A Índia começou nesta quarta-feira (20) a exportação da vacina de Oxford/AstraZeneca, desenvolvida pelo laboratório Serum Institute of India, a países vizinhos. O Brasil, que aguarda receber um lote com dois milhões de doses do imunizante, não foi citado na nota do governo indiano. A exportação começará por países vizinhos, e apenas Butão, Bangladesh, Nepal, Maldivas, Seychelles e Mianmar foram citados pelo governo da Índia.

A nota do Ministério de Relações Exteriores da Índia, divulgada nesta terça-feira (19), diz ainda que Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Maurício aguardam a confirmação de autorizações regulatórias necessárias para que a exportação seja feita. O Brasil, que não é citado em nenhum momento pelo governo indiano, aguarda o recebimento de dois milhões de doses da vacina de Oxford, que foi produzida na Índia. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou no último domingo (17) o uso emergencial desse lote do imunizante no Brasil.

Avião

O Ministério da Saúde chegou a anunciar na última semana o envio de uma aeronave para buscar as vacinas na cidade indiana de Mumbai. O retorno estava marcado para acontecer no domingo (17), mas o avião nem chegou a decolar. Na última sexta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro informou que a aeronave deveria atrasar a partida em dois ou três dias. No entanto, até esta terça-feira (19) não há previsão para o recebimento das doses.

Diante do atraso da entrega das doses da vacina, Bolsonaro se reuniu na manhã da segunda-feira (18) com embaixador indiano no Brasil, Suresh K. Reddy, para uma reunião no Palácio do Planalto.

Questionado sobre o encontro do presidente com o embaixador indiano e sobre uma previsão para a entrega das vacinas, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que, até o momento, não existia uma resposta positiva da saída do avião. O general afirmou, durante coletiva de imprensa realizada ainda na segunda (18), que o governo brasileiro faz reuniões diplomáticas com a Índia todos os dias, mas indicou que o fuso horário é “complicado”.

“Todos os dias, temos tido reuniões diplomáticas com a Índia, todo dia. O fuso horário é muito complicado. Estamos recebendo a sinalização de que isso deverá ser resolvido nos próximos dias desta semana. Não tenho a resposta positiva de saída até agora”, disse.

Com Correio Braziliense