Com a chegada das festas de fim de ano, aumenta abandono de...

Com a chegada das festas de fim de ano, aumenta abandono de animais nas ruas

COMPARTILHAR
No Brasil há mais de 30 milhões de animais abandonados, segundo OMS (Divulgação)

A chegada das festas de fim de ano, em geral vêm acompanhada de uma das épocas mais esperadas pelas famílias, as férias. Contudo, o que pode ser motivo de alegria para alguns, significa tristeza e desespero para outros, pois, é exatamente nesta época que aumenta significativamente o abandono de animais nas ruas e, consequentemente o risco de atropelamentos e maus-tratos.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), só no Brasil existem mais de 30 milhões de animais abandonados, entre 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães. Em cidades de grande porte, para cada cinco habitantes há um cachorro. Destes, 10% estão abandonados. No interior, em cidades menores, a situação não é muito diferente. Em muitos casos o número chega a 1/4 da população humana.

Em Campo Grande, ONG’s (Organizações Não Governamentais) e protetores independentes enfrentam o aumento significativo de abandonos entre dezembro e janeiro, mas neste ano, os abandonos aumentaram ainda mais cedo, começando já no mês de outubro, como relata a presidente da ONG Fiel Amigo, Laura Cristina Brito.

Chega essa época e as pessoas vão viajar ou receber visitas em casa e querem se livrar do animal. Querem quando é filhote, mas o animal cresce e é descartado. Em geral eles chegam para nós debilitado, doente e arrasado”, afirma Laura, que atualmente cuida de 255 animais, entre gatos e cachorros.

Amigo Sigo

A Sigo Homeopatia Veterinária, realiza em Campo Grande o projeto Amigo Sigo, fornecendo medicamentos para o tratamento dos animais das ONG’s Fiel Amigo, Amicats e Cão Feliz. De acordo com a médica veterinária homeopata e diretora da empresa, o abandono é um ato cruel, já que aos animais também sofrem e adquirem traumas.

“O animal tem sentimento, ele sofre com o abandono, com o medo de estar sozinho na rua, sem contar a fome, sede e possíveis maus-tratos que podem vitimar esse animal. Muitos dos casos que atendemos são de animais traumatizados, deprimidos e com sequelas físicas que o abandono causou”, explica a médica veterinária homeopata.

Além das entidades de proteção a pets, a Sigo desenvolve o projeto junto à Cavalaria da PM, Cães do Bope e Montana Escola de Equoterapia.

A presidente da ONG Fiel Amigo, que recebe apoio da Sigo há oito meses, avalia que a homeopatia tem ajudado muito, em especial no tratamento de animais com traumas e com leishmaniose. Além disso, Laura pede maior atenção à posse responsável, em especial para a castração.

“As ONG’s sobrevivem unicamente de doações e neste ano, devido a crise, o número de doadores caiu 80%, aumentando as dívidas. Há dias que falta complemento para os animais debilitados. A ajuda com os homeopáticos é ótima, mas há muitas necessidades ainda. Por isso, peço que a população se conscientize, castre seus animais e não abandone. Nosso trabalho é realizado com amor e sacrifício, não temos salário e a responsabilidade do animal é do tutor”, explica.

Além da Fiel Amigo, outras ONG’s estão sem espaço físico e condição financeira de acolher mais animais e todas necessitam de ajuda de todo tipo, seja doação em dinheiro, ração, remédios ou produtos de limpeza.

Como ajudar

Para colaborar com a ONG Fiel amigo, os depósitos podem ser feitos nas contas: Banco do Brasil – agência 5783-5 – C/C 36485-1 / Bradesco – agência 2100-8 – C/C 1005525-3 / Caixa Econômica Federal Agência 0017 Operação 013 – Conta Poupança: 5230-7. Amicats – Banco Itaú – Agência 6492 – C/C: 32425-3 E Cão Feliz – Caixa Econômica Federal – Agência 1464 – Operação 003 – C/C 4147-6

Com UNA Comunicação