Compra de carro com dinheiro falso, leva polícia a três golpistas

Compra de carro com dinheiro falso, leva polícia a três golpistas

COMPARTILHAR
Prisão de Luan pode levar à rede de falsários

Três homens foram presos em flagrante de estelionato, associação criminosa e dinheiro falso além de um dos presos estar com mandado de prisão. O trio foi preso por equipe do GOI – Grupo de Operações e Investigações – da Polícia Civil em apuração a um caso de compra de veículo com dinheiro falso.

Foram presos o cabeça no esquema, Luan de Oliveira Borges (23), seguido de Jackson Botelho (29) e Gabriel Azevedo Souza Peres, de 23 anos. Um dos indivíduos foi preso na casa onde mora, na cidade de Terenos onde os investigadores apreenderam mais dinheiro falso.

O GOI chegou ao trio ao investigar denúncia formalizada na Depac-Piratininga, em um indivíduo identificado posteriormente como Luan, havia comprado um veículo Vectra, pagando com R$ 8 mil, com 80 notas de R$ 100 grosseiramente falsificadas. No final da tarde de ontem (22), os investigadores do GOI localizaram o Vectra e Luan em uma oficina mecânica na Rua Lourenço da Veiga 171, número coincidentemente, do artigo do Código Penal Brasileiro (CPB) que define o crime de estelionato.

Ao ser preso Luan foi flagrado com R$ 1,2 mil falsificados e R$ 866 verdadeiros, que havia trocado por dinheiro falso, prática conhecida como 3×1, em que o criminoso vende três notas falsas por uma verdadeira. Interrogado, Luan revelou que há algum tempo está “atuando” na venda de dinheiro falso ou compra de bens como fez no episódio do carro.

Sua última “compra” foi de 15 mil falsos pelos quais pagou R$ 4 mil, sendo as notas repassadas em vários comércios de Campo Grande. O golpista relatou ter efetuado várias aquisições de dinheiro falso, uma delas de R$ 30 mil, notas pulverizadas em diversos locais de Campo Grande.

A Operação do GOI se estendeu até a cidade de Terenos, onde apontado por Luan, foi preso Gabriel, com mandado de prisão e acusado de vender o “dinheiro” para Luan. Com ele os policiais apreenderam mais notas falsas e em seguida prenderam Jackson o terceiro envolvido no esquema criminoso com dinheiro falso, apanhado na casa dele, na Rua Antônio Sobreira, Vila Popular em Campo Grande, onde mais dinheiro falsificado foi apreendido. A polícia tenta localizar, inclusive foram de Campo Grande, o “fornecedor” do dinheiro frio.