Delegado de Corumbá é preso acusado de matar boliviano

Delegado de Corumbá é preso acusado de matar boliviano

COMPARTILHAR
Delegado preso na casa dele. Foto: Diário Corumbaense

Antônio Coca

O delegado da Polícia Civil, Fernando Araújo da Cruz Junior, titular da DAIJI (Delegacia de Atendimento à Infância, Juventude e do Idoso) em Corumbá, foi preso pela equipe do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros) na manhã desta sexta-feira, 29 de março. A Corregedoria da Polícia Civil comanda a operação deflagrada em Corumbá, em conjunto com a Delegacia de Homicídios, com o apoio do Garras.

Na casa onde o delegado Fernando estava, localizada na esquina das ruas Dom Aquino e 15 de Novembro, no centro da cidade, materiais foram apreendidos. Neste local, além dele, uma mulher foi detida e colocada na viatura do Garras durante cumprimento de mandado de busca e apreensão. Ela teria tentado fugir.

Já em outra casa, no cruzamento das ruas Cabral com a Firmo de Matos, a equipe também fez busca e apreensão. O morador da residência, investigador Emanoel Contis, também foi levado pela equipe, depois que os policiais realizaram buscas no imóvel e também no comércio dele, que fica em frente a casa.

Um dos delegados do Garras disse que uma entrevista coletiva será realizada para informar o motivo da operação. “Vamos fazer o levantamento dos materiais apreendidos e logo depois vamos conceder a entrevista coletiva para repassar mais detalhes sobre o caso”, afirmou.

No entanto, a informação é que a prisão do delegado e do inspetor está relacionada ao assassinato do pecuarista boliviano Alfredo Rangel Weber, 48 anos, dentro de uma ambulância, em Corumbá.

O delegado é acusado de matar a tiros o boliviano no dia 23 de fevereiro, depois de esfaqueá-lo em uma festa na cidade fronteiriça de Puerto Suárez. Ele teria vindo atrás da ambulância que transportava Alfredo para o hospital de Corumbá, e executado o boliviano. O delegado e o inspetor estão sendo trazidos para Campo Grande.

Fonte: Diário Corumbaense