Do presídio, homem comanda golpes e comparsa é presa pela PM

Do presídio, homem comanda golpes e comparsa é presa pela PM

COMPARTILHAR
Notas falsas seriam passadas no comercio e vendidas a outros golpistas.

Na madrugada desta sexta-feira (10) equipe do 10º Batalhão de Polícia Militar prendeu em flagrante, Adriane Figueiredo Pereira, de 41 anos. Atuando como comparsa de presidiário de 32 anos, a mulher vinha aplicando golpes ser apresentado como “compradora” de objetos ou mercadorias anunciada.

Autuada por estelionato, a última investida da golpista, e que lhe levou para a prisão, ao menos temporária, ela manifestou interesse pela compra de uma TV de última geração, o negócio foi fechado e ela informou o depósito bancário inclusive enviando comprovante para a vítima.

No entanto, o depósito era falso, estilo envelope vazio e a polícia foi acionada. A golpista não demorou a ser localizada e presa por uma equipe do 10º BPM que ainda constatou outro flagrante. No local onde Adriane foi presa os policiais também encontraram 137 notas de Real falsas, totalizando o que seria R$ 6,850 mil, “dinheiro” que seria utilizado em compras ou mesmo comercializado com outros golpistas.

Apurando o caso, os policiais constataram que uma mulher de 26 anos anunciou um televisor para venda através de aplicativo, sendo contatada por um suposto comprador que a enviou um comprovante, alegando ter efetuado o pagamento para adquirir o aparelho, e que mandaria uma pessoa pegar o aparelho.

Ao constatar que o depósito era falso, a vítima acionou a Polícia Militar, que deslocou até seu endereço onde entrou em contato com o homem que retiraria a TV, sendo os policiais informados que este receberia a quantia de R$ 100 para levá-la até o bairro Nova Lima. Lá, receberam a informação de que deveriam deslocar até o bairro Moreninhas, onde estava a comparsa do presidiário.

Na casa, a mulher prontamente relatou aos policiais que o autor do golpe estaria preso, e que “apenas” receberia a TV em seu lugar. Eça também contou que na casa estavam guardadas notas falsas que pertenceriam ao presidiário. A mulher, a vítima, televisão e dinheiro frio foram entregues na Polícia Civil.