Dono do Shopping China presta declarações para Justiça paraguaia

Dono do Shopping China presta declarações para Justiça paraguaia

COMPARTILHAR
Cogorno prestou declarações à justiça do Paraguai. (Divulgação)

Antônio Coca

O megaempresário paraguaio Felipe Cogorno Alvarez, prestou declarações para a justiça do Paraguai em relação ao caso de lavagem de dinheiro que é acusado pela justiça brasileira. Ele teve o pedido de prisão decretada dentro da Operação “El Patrón” que apura lavagem de dinheiro envolvendo o doleiro Dário Messer, o ex-presidente e senador vitalício do Paraguai Horácio Cartes e diversos empresários brasileiros e paraguaios.

Cogorno compareceu nesta segunda-feira (30), na sede da Unidade Especializada de Crimes Econômicos e Anticorrupção, do advogado Alfredo Kronawetter e segundo a agente tributária do Tesouro, Liliana Alcaráz, ele se defendeu das acusações imputadas a ele pela Polícia Federal do Brasil e apresentou documentos para comprovar que não tem participação nos crimes de lavagem de dinheiro e ocultação de bens e negou ter relações comerciais e financeiras com Dário Messer.

Mesmo estando com a prisão preventiva decretada no Brasil, Felipe Cogorno não foi preso e deverá ser ouvido em outras oportunidades. De acordo com Liliana Alcaráz, em janeiro outras pessoas que moram no Paraguai e que estão implicados na investigação deverão ser ouvidas pelo Ministério Público daquele país.

Cogorno já tinha comparecido em audiência na semana passada, mas se manteve calado e não deu nenhuma declaração. Seu advogado alegou que o cliente não tinha conhecimento das acusações e por isso o depoimento dele foi remarcado para esta segunda-feira.

Os procuradores da República do MPF do Rio de Janeiro acusam o dono do Shopping China e de um conglomerado de empresas em vários países de repassar a Dário Messer US$ 500 mil, por meio da namorada dele Myra Athayde.

O repasse teria sido feito em Assunção na sede da empresa FE Câmbios em Villa Morra. Nesta casa de câmbio, Messer tinha uma conta bancária onde enviava e recebia recursos enquanto estava escondido no Paraguai e recebia a proteção do então presidente Horácio Cartes.

O advogado Enrique Kronawetter de Felipe Cogorno, nega as acusações e diz que no dia que a Polícia Federal do Brasil e o Ministério Público alegam que houve o contato entre Messer e o cliente dele, Felipe estava em Londres visitando as filhas que moram e estudam na Inglaterra.

De acordo com informações da agente do Tesouro, Liliana Alcaráz, todas as informações sobre as investigações relativas a Operação El Patrón, feitas no Paraguai estão sendo compartilhadas com as autoridades brasileiras.

Agente tributária do Tesouro, Liliana Alcaráz.