DRACCO recebe investimentos em sua estrutura de operações

DRACCO recebe investimentos em sua estrutura de operações

COMPARTILHAR
Prédio sequestrado pela Justiça Federal em operação da PF.

Diante da perspectiva institucional de repressão qualificada e especializada à corrupção e ao crime organizado com a descapitalização das organizações criminosas e retorno aos cofres públicos dos proventos oriundo de desvios de verba e do enriquecimento ilícito através da lavagem de dinheiro, o DRACCO teve a cessão de uso do imóvel localizado na Rua Antônio Francisco Nantes, 330, Jardim Seminário determinada pela Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, após o local ter sido sequestrado judicialmente quando da “Operação Status”, realizada pela Polícia Federal de MS em setembro de 2019.

A nova sede operacional do DRACCO é fruto da cooperação da Justiça Federal e Ministério Público Federal com a Polícia Civil do MS, tendo a Diretora do DRACCO representado em juízo pelo depósito e uso do imóvel visando a instalação das unidades policiais e seções especializadas do Departamento, obtendo manifestação favorável do Ministério Público Federal, que fora ratificada pelo juízo da 5ª Vara Criminal da Justiça Federal do MS.

À atuação do DRACCO em operações aéreas e à repressão aos crimes aeronáuticos também teve ampliação operacional e estrutural com o uso de dois hangares localizados no Aeroporto Teruel em Campo Grande, conforme publicação no Diário Oficial do último dia 10 do contrato de locação dos hangares pela SEJUSP para instalação da Seção de Operações Aéreas do DRACCO, de onde serão coordenados planejamento e execução de operações aéreas de segurança pública no comando de aeronaves de asas fixas e rotativas em apoio à suas operações e a outros órgãos; analisar e avaliar projetos organizacionais atinentes à aviação e disponibilizar suporte técnico especializado para o DRACCO nas investigações de sinistros aéreos e na apuração de infrações penais correlatas; bem como, deposito das aeronaves apreendidas durante a repressão qualificada aos crimes aeronáuticos.

O DRACCO foi criado em 5 de agosto de 2020 através do Decreto nº 15.493, tendo como suas principais atribuições: – planejar, orientar, fiscalizar e executar as atividades relativas ao combate à corrupção e ao crime organizado; – promover ações permanentes para o combate e até mesmo prevenção ao crime organizado, à lavagem de dinheiro e à corrupção; buscando seu constante aperfeiçoamento e eficácia; promover o aprimoramento de mecanismos de combate à corrupção, à lavagem de dinheiro e ao crime organizado, para, efetivamente, devolver aos cofres públicos os recursos desviados; com a aplicação de instrumentos tecnológicos nos processos investigativos de combate à corrupção, lavagem de dinheiro e crime organizado e correlatos, por meio de inteligência financeira e de inteligência cibernética e telemática; coordenando investigações sistêmicas de atuação da Polícia Civil no combate as organizações criminosas e à corrupção e aos crimes de lavagem de dinheiro, bem como aos crimes a eles conexos ou de natureza especial, gerenciar o laboratório de tecnologia contra a lavagem de dinheiro e o laboratório de tecnologia cibernética e telemática; além de apurar infrações penais relacionadas à aeronaves e seus componentes, desempenhado de maneira pioneira por meio da Operação Ícaro.

Duas aeronaves já foram destinadas à Polícia Civil de MS para operarem através da Seção de Operações Aéreas, sendo um Baron 58 oriundo de apreensão criminal do Departamento e da Polícia Federal derivada de apuração de crimes de atentado à segurança de voo, narcotráfico, associação ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, com cautela judicial a cargo da Justiça Federal e avaliado em cerca de R$ 1.500.000 e uma cautela judicial a cargo da Justiça Estadual por intermédio do Poder Judiciário de Ribas do Rio Pardo de um helicóptero Robinson R44, avaliado em R$ 900.000 decorrente de apuração criminal do DRACCO em torno dos crimes de atentado à segurança de voo, associação ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

De acordo com a Polícia Civil através da Diretora do Departamento, delegada Ana Cláudia Medina, “A modernização da sede operacional e ampliação da capacidade nominal da Seção de Operações Aéreas fazem parte do processo de adequação estrutural do Departamento à sua relevância social e ao desempenho de atividades de polícia judiciária civil especializadas”.

“Os investimentos estruturais no combate à corrupção, ao crime organizado, aos crimes aeronáuticos e de lavagem de dinheiro derivam do empenho do Governo do Estado do MS por meio da Delegacia-Geral da Polícia Civil e da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul”. Conclui a delegada.