Em assembleia enfermagem aprova indicativo de greve em Campo Grande

Em assembleia enfermagem aprova indicativo de greve em Campo Grande

COMPARTILHAR
Categoria pode parar no município.

Em Assembleia realizada na noite desta segunda-feira, (14), enfermeiros e técnicos de enfermagem se reuniram para discutir sobre o andamento de negociações com a prefeitura. A categoria aprovou, por unanimidade, o indicativo de greve. Uma nova assembleia para votar a deflagração de greve foi marcada para o dia 23.

“A categoria exige uma medida compensatória financeira imediata pelo não cumprimento do acordo da insalubridade celebrado com o SINTE”, pontua Márcio Almeida advogado do Sindicato dos Trabalhadores Públicos em Enfermagem de Campo Grande (Sinte). “Estamos apresentando uma proposta que atende exclusivamente a Enfermagem e que não encontra impedimento na questão fiscal, agora cabe ao Município trazer opções ou aceitar a que propomos, e caso contrário, a Enfermagem vai parar”, explica Ângelo Macedo, Presidente do Sindicato.

No ano passado, o Município de Campo Grande se comprometeu a regulamentar o pagamento de insalubridade aos servidores. O termo de compromisso, assinado em 17 de março de 2021, tinha como prazo o mês de novembro do mesmo ano, com o pagamento a partir da folha de dezembro de 2021 – o que não ocorreu. Uma cláusula do acordo assinado pelo Secretário de Finanças, Pedro Pedrossian Neto, assegurava que o Município se comprometia a promover a redução de despesas com cargos comissionados e, se necessário, a redução de pessoal para o cumprimento do acordo com a Enfermagem.

Segundo o Presidente do SINTE, Ângelo Macedo, a medida paliativa para esse momento seria entabular acordo judicial com o Município para que o mesmo comece a pagar imediatamente a Gratificação por Trabalho Noturno cujo direito foi objeto de ação judicial ganha pelo sindicato em favor dos trabalhadores da enfermagem, e que hoje aguarda recurso do Município junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Essa medida compensatória, segundo o advogado, agiliza o cumprimento da decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul com incremento salarial imediato e com o pagamento do retroativo. “Agora cabe ao Município decidir como reparar a categoria pelo não cumprimento do acordo, do contrário, greve!”, assevera Ângelo Macedo.