Empresário expulso de padaria por usar notebook é preso em operação da PF

O empresário Alan Deivid de Barros, que foi expulso de uma padaria em Barueri (na Grande São Paulo) por usar notebook, foi preso temporariamente nesta terça-feira, (27), em Curitiba, em operação da Polícia Federal que investiga suspeitos de integrarem uma organização criminosa que atua em projetos fraudulentos relacionados à criação de criptomoedas e NFTs (“Non Fungible Tokens”). A defesa nega envolvimento dele nos crimes.

Alan já havia repercutido nas redes sociais em janeiro deste ano, após ser ameaçado pelo dono de uma padaria por estar usando um notebook na mesa de um estabelecimento. Conforme noticiado à época pelo jornal Folha de São Paulo, um comunicado no comércio avisava quer era proibido o uso de equipamentos eletrônicos, para que a pessoa não ficasse ocupando o lugar de outros clientes. A polícia foi acionada na ocasião e o empresário registrou notícia crime por ameaça.

Agora, o empresário foi preso pela Polícia Federal em uma investigação que apura uma possível organização criminosa, baseada em Balneário Camboriú, que teria desenvolvido diversos projetos interligados, pelos quais os investidores adquiriam uma criptomoeda criada pelo grupo com suposto valor vinculado a supostas parcerias com empresas, prometendo altos lucros por meio de corretoras de criptomoedas. O lançamento foi promovido em uma feira de criptoativos em Dubai.

A organização também é suspeita de, posteriormente, passar a atuar na comercialização de franquias de mobilidade urbana, o que continua sendo divulgado pelos integrantes. “Foram identificadas aproximadamente 22 mil vítimas no Brasil e no exterior e perdas no valor aproximado de R$ 100 milhões de reais”, segundo a Polícia Federal.

Os suspeitos responderão pela prática de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, associação criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas máximas totais previstas podem chegar a 28 anos de reclusão. A investigação foi iniciada após análise de denúncias recebidas pelo canal oficial da Polícia Federal em Itajaí para tratamento de informações sobre pirâmides financeiras.

Na ação, foram cumpridos dois mandados de prisão e seis mandados de busca e apreensão nos municípios de Itajaí, Balneário Camboriú, Curitiba e Londrina. Também foram executadas medidas de sequestros e bloqueios de bens de cinco pessoas e três empresas.

A defesa

Em nota, o advogado do empresário, Leonardo Bueno Dechatnik, afirma que Allan é inocente e que a defesa tem mantido uma postura colaborativa com as autoridades, buscando esclarecer os fatos da forma mais transparente e eficaz. De acordo com ele, o processo corre em segredo de Justiça, o que o impede de divulgar detalhes específicos sobre o caso neste momento.

Compartilhe
Institucional

O Tempo MS News é um portal de notícias online que traz informações relevantes e atualizadas sobre o dia a dia do Mato Grosso do Sul. Com uma equipe de jornalistas experientes e comprometidos em levar ao público as notícias mais importantes do estado, o portal se destaca por oferecer conteúdo de qualidade em tempo real.

Entre em contato

(67) 0000-0000

[email protected]

© Tempo MS News - Todos os direitos reservados, design por Argo Soluções