Festivais de cinema on-line são opção para período de quarentena

Festivais de cinema on-line são opção para período de quarentena

COMPARTILHAR
Cineasta Filipi Silveira

Diante do atual cenário, onde uma pandemia impede atividades até então rotineiras, como ir ao cinema, todos os setores estão sofrendo e se adaptando até tudo se normalizar. Exemplo disso é o meio do audiovisual, pois, produções tiveram que ser paralisadas e lançamentos e eventos como Festivais de Cinema foram adiados.

Mas a cultura não para e as adaptações levam até o público a possibilidade de contar com lazer em casa. Entre as opções estão o Festival Saindo da Gaveta e o Festival Cinemaria que terão em sua programação alguns filmes mais antigos de alguns realizadores e realizadoras em sua programação gerando um conteúdo extenso para as pessoas aproveitarem a quarentena com muita arte.

Representando Mato Grosso do Sul, o realizador e ator Filipi Silveira ingressou nesses projetos de adaptação da arte audiovisual e estará com duas produções que assinou a direção participando de Festivais e Mostras de forma on-line. Seu primeiro e premiado curta, “O Florista”, participa do Festival Saindo da Gaveta, que chega com 40 curtas-metragens gratuitos para o público assistir no conforto de casa, com obras premiadas que já rodaram o Brasil e o mundo. A iniciativa conta com votação do júri popular até o dia 2 de maio, no site do evento: https://www.saindodagaveta.com/) e também estará na programação futura do Festival Cinemaria.

“O Florista foi exibido em dois Festivais ano passado, o que me remete a uma entrevista do Diretor Joel Pizzini em que ele dizia que faz filmes para ficar em cartaz a vida inteira, não sei se a frase é dele, mas achei ótima e ver um filme mais antigo junto com os novos até hoje sendo exibidos mostra que o filme funciona e conquista, no caso do Florista tem gente que às vezes que não assistiu e quando descobre ser um filme de 2012, acaba me dizendo que parece que o filme foi feito ontem, para o bem e para o mal o filme continua atual”, afirma o ator e diretor do filme que também assina o roteiro Filipi Silveira.

No Brasil atualmente alguns festivais de cinema como o Festival Internacional de Brasília, o Cine Paraíso, Curta Taquary e o Festival de Cinema Curta Pinhais, após deliberações acerca da melhor forma de prosseguir com o festival sem colocar a vida de ninguém em risco também tornaram suas edições virtuais e percebendo este momento alguns festivais foram criados para levar o cinema para as pessoas, já que elas não podem ir até o cinema.

“Neste momento em que é necessário se adaptar, o cinema não vai acabar, disseram isso quando veio a Televisão, Videocassete, DVD e VOD, ele vai coexistir como sempre fez, neste momento ver festivais fazerem ações para chegar até o público é positivo, claro que tem tipos de filmes que é melhor ver na telona, então é melhor adiar, mas tem outros que podemos ver tranquilamente em casa é até uma maneira bacana de gerar conteúdo para este momento triste de pandemia”, avalia Filipi, que recentemente teve seu novo projeto de longa-metragem aprovado em primeiro lugar no edital do FMIC (Fundo Municipal de Investimentos Culturais).

Festivais nacionais

O Festival de Cinema Curta Pinhais no Paraná que está em sua oitava edição que era presencial, se adaptou para este novo momento de pandemia fazendo sua edição on-line estará exibindo o trabalho mais recente do ator e diretor de MS, o também premiado curta “Vampiros” no dia 30 de abril às 10h. Os filmes anteriores do diretor – “Cartilha da Vida”, “Curta Ser Saudável” e “Irmãos de Alma” estão liberados na internet.

UNA Comunicação/Elci Holsback