Fiems promove painel para fomentar uso de fontes de energia renováveis

Fiems promove painel para fomentar uso de fontes de energia renováveis

COMPARTILHAR

As mudanças climáticas que afetam diretamente a energia produzida por hidrelétricas no Brasil e a crise econômica aumentaram as discussões sobre fontes de energia renováveis. Atenta a esse cenário, a Fiems realiza, nesta quarta-feira (3), às 14 horas, no auditório da Faculdade do Senai de Campo Grande, o Painel Energia Solar, com a presença do presidente-executivo da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Sauaia.

Segundo o diretor-corporativo da Fiems, Cláudio Alves, o evento é aberto ao público e reunirá clientes investidores, fornecedores de placas fotovoltaicas e empresários. O objetivo é realizar uma apresentação sobre o mercado de energia no mundo, traçando um paralelo com o mercado brasileiro. Há estudos que apontam que a partir de 2030 as energias fósseis perderão espaço significativo no mercado mundial, então, a partir dessa projeção, é fundamental que o Brasil invista em fontes de energia renováveis”, afirmou.

O diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, explicou que o Senai Empresa também fará uma apresentação de seu portfólio de soluções para as empresas, com foco no PSGE (Programa Senai de Gestão Energética), que tem como objetivo apoiar a indústria para reduzir seus custos com energia elétrica, atuando no contrato de fornecimento com a distribuidora regional, na implantação de projetos de eficiência energética, no apoio à migração para o mercado livre e nos estudos para geração total ou parcial da energia elétrica consumida pela indústria.

“É possível diminuir o valor da conta por meio da geração parcial ou total da energia consumida nas unidades de negócio. Para isso, é preciso investir em fontes de energias renováveis, como solar, eólica, de biodigestor e biomassa. O Painel Energia Solar é uma oportunidade de discutirmos esse assunto e também um primeiro passo para fomentarmos o uso de fontes de energia renováveis”, reforçou Rodolpho Mangialardo.