FTC descarta que EPP estivesse em acampamento encontrado por filhas de ex-vice...

FTC descarta que EPP estivesse em acampamento encontrado por filhas de ex-vice presidente paraguaio sequestrado

COMPARTILHAR
Para família, acampamento foi cativeiro do ex-vice presidente. (Foto:Reprodução/Últimahora)

O capitão Óscar Chamorro, comandante da Força Tarefa Conjunta (FTC) do Paraguai, afirmou não ser possível definir se membros do EPP – Exército do Povo Paraguaio – que mantém em cativeiro o ex-vice presidente Óscar Denis e Adelio Mendoza no acampamento encontrado pelas filhas de Óscar.

As filhas do ex-vice-presidente da República encontraram um acampamento e alguns elementos enterrados em três sepulturas na fazenda Tranquerita, localizada no Departamento de Concepción. A família presume que o político liberal sequestrado estava no local.

“Não podemos determinar se era um acampamento EPP. Devido à localização geográfica, é improvável que os primeiros cinco dias tenham passado, porque seria absolutamente improvável que não os veríamos”, afirmou em entrevista à Rádio Monumental 1080 AM.

Chamorro mencionou que nas montanhas é normal encontrar objetos enterrados e afirmou que até eles tinham que enterrar o lixo. “Nós mesmos estamos nas montanhas há vários dias, o pessoal também enterrou seu lixo”, disse ele.

O comandante afirmou que agentes da FTC acompanharam a busca realizada pela família Denis e funcionários. “Dizer que não estávamos lá, foge da realidade, estávamos acompanhando”, continuou.

O acampamento estava localizado no Monte Condenado e foi identificado por Adelio Mendoza, que também foi levado pelo grupo armado e posteriormente libertado. O homem reconheceu o lugar onde eles estiveram em cativeiro por alguns dias.

A esse respeito, Chamorro indicou que Mendoza “pode estar confuso”. Da mesma forma, disse que estão sempre em contato com a família Denis e dos outros reféns. A família de Óscar Denis não tem notícias importantes desde que o político liberal foi levado há sete meses de sua fazenda Tranquerita, localizada na divisa de Concepción e Amambay.

A única vez que os sequestradores entraram em contato com a família foi para pedir-lhes que doassem alimentos para as comunidades no valor de 2 milhões de dólares. As filhas de Denis pedem constantemente ao pai uma nova comunicação e prova de vida.