GARRAS prende sucessor de “Minotauro” na fronteira com Paraguai

GARRAS prende sucessor de “Minotauro” na fronteira com Paraguai

COMPARTILHAR
Matador transferido para Dourados. (Foto: Osvaldo Duarte/Dourados Mews)

A intensificação de operações na fronteira Brasil/Paraguai na busca aos foragidos da Penitenciária de Pedro Juan Caballero, assim como possíveis envolvidos, está levando as Forças Policiais dos dois países a importantes prisões. Uma dessas prisões aconteceu quando equipes do GARRAS – Delegacia Especializada em Repressão a Assaltos a Bancos, roubos e Sequestros, deslocadas de Campo Grande, prenderam elemento de alta periculosidade, considerado sucessor de Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o “Minotauro”.

Edson Barbosa Salinas, também conhecido como “Ryguasú”, foi surpreendido pelos policiais do Garras quando discutia com o ocupante de um veículo que supostamente obstruía a passagem do caminhão em que ele estava na companhia de Rodrigo Antunes Flores, de 28 anos. Segundo informações, Barbosa e Antunes estavam em uma festa e saíram para comprar mais bebidas em um veículo Toyota SW4, momento em que teve problemas com Fabio López Villalba, responsável em outra Toyota e teve problemas com Fabio López Villalba, que estava em um Gol.

Os dois discutiam acirradamente, quando López sacou uma pistola 9 molímetros e apontou para os ocupantes do caminhão. Estes, por sua vez, o enquadraram com outra pistola, instante em que a equipe do GARRAS chegou.

apontaram-no com outra pistola calibre .80. Naquela época, a patrulha do grupo Garras passou.

Os policiais detiveram os três apreenderam as armas, além de balas 9 milímetros e 380. Com Barbosa e Antunes, os policiais encontraram US $ 4.200 (dólares) e R$ 4.150. Os homens foram presos por porte de armas e munições proibidas, além de ameaça aos policiais.

Minotauro

Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, conhecido como “Minotauro”, é quem teria liderado ataques contra facções criminosas rivais na fronteira. Também é apontado como um dos membros do grupo que matou a advogada argentina Laura Marcela Casuso em Pedro Juan Caballero.

A advogada chefiou a equipe de consultores jurídicos do narcotraficante Jarvis Chimenes Pavão, que atualmente cumpre pena no Presídio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte.