Governo decreta situação de emergência em MS

Governo decreta situação de emergência em MS

COMPARTILHAR

Para garantir a ordem pública e para que o cidadão tenha seus direitos como acesso a serviços essenciais assegurados, o governador Reinaldo Azambuja assinou nesta terça-feira (29) decreto de Situação de Emergência, que terá vigência até que a situação seja normalizada. O Estado já enfrenta problema de desabastecimento nos supermercados e postos de combustíveis e suspensão de alguns serviços na área da saúde.

Conforme nota publicada em seguida ao decreto, o governo define a medida que a medida é adotada por conta da manifestação dos caminhoneiros, que completa 9 dias hoje e tem resultado no desabastecimento de vários cidades sul-mato-grossenses. Conforme publicação, o “movimento tem impedido a livre circulação de mercadorias” e prejudicado a vida da população.

De acordo com o governo, são 30 os municípios que não possuem combustíveis “e a tendência é de que o quadro de desabastecimento se estenda para as outras cidades”, informa a publicação do governo. Na mesma nota, o governo cita o problema das Santa Casas de Campo Grande e Corumbá suspenderem as cirurgias eletivas e lembra a grande possibilidade de desabastecimento de medicamentos e produtos hospitalares nos municípios.

Produtivo

Em relação ao setor produtivo, o Estado estima prejuízo de R$ 100 milhões ao dia na economia. A manifestação tem atrapalhado o setor industrial, responsável por empregar 120 mil pessoas, o equivalente a cidade de Três Lagoas, a terceira mais populosa do Mato Grosso do Sul.

Por fim, o governo afirma não discutir a legitimidade do movimento, porém, reitera estar tomando as medidas necessárias para proteger a população. “Não é possível permitir que a redução dos estoques coloque em risco os direitos básicos da população e da vida das pessoas”, finaliza.