Guarda Municipal preso com armas de guerra, é transferido pera presídio

Guarda Municipal preso com armas de guerra, é transferido pera presídio

COMPARTILHAR
Rios já está em presídio (Foto: Whatsapp)

O guarda municipal Marcelo Rios, de 42 anos, preso com arsenal de guerra em uma casa no bairro Monte Líbano, e que com medo de ser morto havia pedido remoção da cela do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros) para presídio, teve seu pedido acatado pela Justiça. Agora pouco ele acabou de entregue pelo Garras, no Complexo Penitenciário de Campo Grande.

Ao requerer a transferência de Marcelo Rios, sua defesa entre outras alegações, citou a prerrogativa funcional prevista no artigo 18 da Lei 13.022/2014, em que o cliente, como guarda municipal, tem direito a cela isolada dos demais presos, quando a prisão acontece antes da condenação definitiva.

Com base na solicitação, o juiz Roberto Ferreira Filho determinou à Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário – Agepen, que providenciasse em 24 horas, a transferência de Rios para estabelecimento penitenciário, o que ocorreu esta manhã.
Marcelo Rios chegou a implorar através de carta, por sua remoção da delegacia alegando temer por sua segurança. Seus familiares também denunciaram situações graves, o que chegou a levar para a prisão outros integrantes da GCM.

A prisão

Rios foi preso em poder de um arsenal de guerra composto por fuzis modelo AK 47 e outros de calibre 556, espingarda calibre 12, rifle 22, 17 pistolas, revólver calibre 357 e várias munições calibres 762, 556, 12, 9 milímetros, 40 e 45, tudo pronto para uso. A polícia investiga a possibilidade de que algumas das armas, principalmente AK-47, tenham sido utilizadas nas últimas execuções ocorridas em Campo Grande. Várias pessoas são alvos de investigações sobre as execuções.

Parte da carta de Rios ao juiz.