Habeas corpus de ex-segurança do governador é revogado pelo TJ/MS

Habeas corpus de ex-segurança do governador é revogado pelo TJ/MS

COMPARTILHAR
Sargento Ricardo Campos Figueiredo pode voltar ao PME

Em ato do desembargador José Ale Ahmad Netto, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), foi revogada nesta quarta-feira (23), por requerimento do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a liminar no habeas corpus que havia sido concedida no final de semana ao sargento da Polícia Militar Ricardo Campos Figueiredo.

O policial era lotado na governadoria de Mato Grosso do Sul onde atuava como motorista e segurança do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e foi exonerado das funções na última sexta-feira (18), após ser preso no anterior, por obstrução de Justiça, durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em operação que investiga a corrupção da PM no Estado.

Na decisão, o desembargador que é relator da ação aponta que a concessão da liminar em habeas corpus é uma medida excepcional, que é concedida quando se verifica a presença de qualquer constrangimento ilegal, o que segundo sua análise nos autos, não estão presentes neste caso. Desse modo, Ahmad Netto aponta que não havendo constrangimento ilegal para o suspeito, o sargento deverá ser novamente recolhido ao presídio militar.

Conforme o GAECO Ricardo C. Figueiredo foi preso ao destruir dois celulares quando policiais e promotores chegaram a sua casa para cumprir mandados de busca e apreensão durante a operação. A ação fez parte de uma investigação que levou dezenas de policiais militares a prisão por envolvimento no crime de facilitação ao contrabando de cigarros em troca de propina.

Exonerado

O sargento era lotado na Governadoria desde o início do mandato de Reinaldo Azambuja e foi promovido duas vezes desde 2015 com salário saltando de R$ 4 para R$ 16 mil, conforme consta no Portal da Transparência do governo do estado. O policial e alguns de seus superiores devem ainda serem investigados em razão de ter sido absolvido de nove punições, embora em ao menos três dos processos ele deveria ter sido preso.