Helicóptero que caiu em Ponta Porã pertenceu a espólio de Mazzaropi

Helicóptero que caiu em Ponta Porã pertenceu a espólio de Mazzaropi

COMPARTILHAR
A aeronave em operação.

Antônio Coca

A aeronave Robinson R-66 Turbine prefixo PR ITT que caiu na manhã de ontem (20), em uma fazenda entre Ponta Porã e Dourados, matando o piloto Pedro Augusto Boim de 24 anos, morador em Rancharia e o acompanhante dele Matheus Henrique dos Santos Venâncio de 20 anos de Quatá, ambas cidades do interior paulista, já pertenceu ao espólio do ator Amacio Mazzaropi um dos maiores nomes do cinema brasileiro.

No Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o helicóptero ainda aparece em nome de empresas da família que administra entre outras coisas o Hotel e Museu Mazzaropi em Taubaté. O artista morreu em 13 de junho de 1981 aos 69 anos e deixou como legado vários filmes e um grande acervo do começo da cinematurgia no Brasil.

Um dos administradores dos bens da família disse nesta manhã ao Ponta Porã News que o helicóptero foi vendido havia cerca de 90 dias e que a venda foi intermediada pela HBR Aviação com sede em São Paulo e com oficinas e escritórios em Santa Catariana, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Ceará e Goiás. Nenhum representante da empresa foi encontrado para falar sobre assunto.

Os advogados dos administradores dos bens do artista devem emitir ainda hoje uma Nota para a Imprensa esclarecendo os fatos, mas já adiantou que não vai revelar para quem a aeronave foi vendida e que isso deve fazer parte da investigação policial.

Nas proximidades de onde aconteceu a queda e explosão da aeronave foram encontrados 246 quilos de cocaína e o caso está sendo investigado pelo DRACCO (Departamento de Repressão a Corrupção e ao Crime Organizado da Polícia Civil do Mato Grosso do Sul). O helicóptero estava com as condições de navegabilidade em dia.

Espolio de Mazzaropi vendeu a aeronave recentemente.