Indígenas exigem a libertação de membro da comunidade sequestrado junto com político

Indígenas exigem a libertação de membro da comunidade sequestrado junto com político

COMPARTILHAR
Adelio Mendoza, capataz sequestrado junto com político paraguaio.

Antônio Coca

Adelio Mendoza, o indígena de 21 anos sequestrado ontem junto com seu patrão, o ex-vice-presidente Óscar Denis, pertence à etnia Paí Tavyterá, cujo território ancestral cobre quase todo o departamento de Amambay. Ele é da comunidade Itá Yeguaka, que ficou revoltada com a denúncia de que o caso tenha sido arquitetado por um grupo que supostamente faz parte do grupo guerrilheiro EPP – Exército do Povo Paraguaio.

Segundo os indígenas, Adelio cresceu na fazenda Tranquerita da família Denis, onde hoje trabalha na lida com gado, segundo Luis Arce , cacique paí tavyterá de Ita Guasu, perto de Bella Vista Norte. O líder indígena disse que conhece Mendoza perfeitamente e pediu a seus captores que o libertassem, “porque ele não tem nada a ver com a luta política”.

Arce ressaltou que o indígena sequestrado é trabalhador. “Eu o considero parte da minha comunidade, porque uma vez que ele veio procurar uma esposa, ele conquistou um membro da minha comunidade e a levou. É um povo excelente. De vez em quando, ele vem com a esposa e é uma boa pessoa”, disse ele.

Sobre a versão de que o grupo criminoso que sequestrou Denis e Mendoza é uma brigada indígena integrante do Exército do Povo Paraguaio (EPP), o cacique disse não acreditar que os indígenas façam parte de grupos armados. “Tudo é dito”, concluiu.

Digna Morilla, perita indígena do Palácio da Justiça em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, deu prazo até a tarde desta quinta-feira para que o capataz seja libertado. Caso isso não aconteça, a etnia Paí Tavyterá vai convocar uma manifestação em Bella Vista.

Os indígenas também usaram as redes sociais para comunicar que, se após as manifestações não tiverem nenhuma reposta dos líderes do EPP, mais de 15 mil indígenas entrarão na mata para resgatar os sequestrados.

Em pé de guerra, indígenas prometem invadir mata e resgatar irmão.