Jovem paraguaia é executada em presidio ao visitar “Marcelo Piloto”

Jovem paraguaia é executada em presidio ao visitar “Marcelo Piloto”

COMPARTILHAR
Local da execução é apontado como a mais segura prisão do Paraguai (ABC)

O brasileiro Marcelo Pinheiro, “Marcelo Piloto”, suposto integrante do CV (Comando Vermelho) preso na Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai por narcotráfico e acusado de executar na tarde desse sábado (17) pouco antes de 14h, uma mulher paraguaia identificada como, Lídia Meza Burgos (18) que segundo a polícia realizava supostamente uma visita ao brasileiro e teria sido executada por ele, que com o crime conseguiria frear a sua extradição ao Brasil.

Lídia Meza Burgos

Segundo o chefe da Agrupação Especializada German Real Medina, a jovem supostamente teria entrado na cela de Marcelo Piloto na hora indicada e minutos após ouviram gritos da jovem e ao chegarem a porta da cela já encontraram a mesma toda ensanguentada. Lídia chegou a ser socorrida ao Hospital do bairro Obrero, onde morreu pouco tempo depois. As autoridades anunciaram o caso será investigada por integrantes no combate ao crime organizado e ao narcotráfico do Ministério Público que foram informados sobre o caso.

O assassinato seria uma forma de Marcelo Piloto parar a extradição ao Brasil, pois pelo crime cometido nesta tarde de sábado teria que primeiro ser julgado, condenado e cumprir a pena em território paraguaio. A morte da jovem chocou o país, onde os moradores perguntam nas redes sociais, que fazia uma jovem de 18 anos em visita a preso.

Agentes de guarda da Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai recebem duras críticas e existem suspeitas sobre os mesmo de já terem conhecimento do que ocorreria na tarde desse sábado e cruzaram os braços situação que resultou na execução da jovem no interior da cela em uma das supostamente mais seguras prisão do Paraguai.

Fonte: ABC Color