Justiça paraguaia liberta Ronaldinho Gaúcho

Justiça paraguaia liberta Ronaldinho Gaúcho

COMPARTILHAR
Após quase seis meses, Ronaldinho e Assis são libertados.

Antônio Coca

Preso desde o dia 4 de março quando chegou em Assunção para participar de atividades filantrópicas o ex jogador Ronaldinho Gaúcho foi colocado em liberdade na tare desta segunda-feira (24) depois de uma audiência com o juiz Gustavo Amarilla. Gaúcho estava em prisão domiciliar juntamente com o irmão Roberto de Assis em um hotel de luxo na região portuária da capital paraguaia. Os dois eram acusados de uso de documentos falsos e passaram alguns meses presos na penitenciária de Tacumbu a principal do Paraguai.

Assis é acusado pela justiça de ter encomendado os documentos falsos usados pelos dois quando entraram no Paraguai. Ele foi condenado a dois anos de prisão, mas teve a sentença suspensa. Já contra Ronaldinho não havia nenhum elemento que indicasse a participação dele em qualquer tipo de crime.

Como reparação aos danos sociais causados eles deverão pagar uma multa de 200 mil dólares que serão usados no combate ao Covid 19 naquele país. Para irem a prisão domiciliar os irmãos já tinham depositado 1 milhão e 600 mil dólares e terão agora descontados o valor da multa e receberão o restante de volta.

Os dois devem voltar ao Brasil assim que todos os tramites relativos ao processo forem finalizados, o que deverá acontecer nos próximos dois dias. Outras 16 pessoas foram implicadas no processo que envolve Ronaldinho e o irmão e deverão ter audiências marcadas até o final deste ano.