Mais de dois mil litros de combustíveis são apreendidos no Nova Itamarati

Mais de dois mil litros de combustíveis são apreendidos no Nova Itamarati

COMPARTILHAR
Venda proibida, perigosa e combustíveis do Paraguai.

Antônio Coca

Só no final da tarde desta quarta-feira (12), a Polícia Civil de Ponta Porã e fiscais da Agência Nacional de Petróleo (ANP) concluíram a operação no distrito de Nova Itamarati em Ponta Porã. Ao todo foram apreendidos mais de dois mil litros de combustíveis entre gasolina, álcool e óleo diesel, sendo duas pessoas foram presas em flagrante e levadas para o 1º Distrito Policial acusadas de venda irregular de combustíveis.

Oito pontos de comercialização de combustíveis foram constatados e a ANP lavrou diversos autos de infração e agora os implicados irão responder aos processos administrativos e terão um prazo legal para a defesa.

Foram 2.169 litros de combustíveis apreendidos que eram comercializados em locais precários e improvisados. A maior parte comprada no Paraguai e depois vendida para moradores do distrito que não tem nenhum posto de combustíveis em funcionamento na localidade. Foram encontrados 1.836 litros de gasolina, 206 litros de álcool combustível e 127 litros de óleo diesel.

Dos locais vistoriados em dois deles os proprietários estavam presentes, foram presos em flagrante e tiveram a fiança arbitrada sendo liberados após recolhimento do valor estipulado pela autoridade policial.

A comercialização de combustíveis sem a licença da Agência Nacional de Petróleo (ANP) constitui crime prescritos nas leis federais 8.176/91 e 9.605/98 e também na portaria 116 de ANP. Até mesmo as pessoas jurídicas licenciadas só podem vender o combustível por meio de tanques com equipamento medidor.

Também é crime ambiental já que coloca em risco o meio ambiente. O combustível estocado gera um gás altamente inflamável que apresenta grandes chances de explosão e, consequentemente, de incêndio. Quem for condenado por esta prática pode pegar dependendo da lei em que for enquadrado, de um a cinco anos de reclusão e multa.

Nesta quinta-feira (13) tanto a Polícia Civil de Ponta Porã, como a Agência Nacional de Petróleo (ANP) devem dar esclarecimentos sobre a ação desenvolvida no Nova Itamarati. Os nomes dos presos e dos indiciados na operação não foram divulgados.