Manter carnaval na esplanada pode ser atestado de burrice

Manter carnaval na esplanada pode ser atestado de burrice

COMPARTILHAR
Pouca coisa resistiu ao vandalismo

Caso resolvam manter o carnaval na Esplanada Ferroviária em Campo Grande, o prefeito do município e o Ministério Público estarão assinando autêntico atestado de burrice com firma reconhecida e demonstração de desamor ao patrimônio histórico, público e das pessoas em Campo Grande. Nessa última edição o que ficou foi rastro de destruição por quem não respeita o patrimônio público e as pessoas.

Cercas centenária foram arrancadas

Inaugurado a menos de seis meses, o jardim da Maria Fumaça foi completamente destruído por marginais travestidos de vândalos. Essa mesma caterva destruiu grades de proteção na avenida Calógeras, promoveu pichações, quebrou garrafas, defecou e urinou em paredes, muros e chão além de tantos outros problemas criados.

O que não foi arrancado, foi danificado

A grande maioria que ali esteve é composta por gente de bem e do bem, mas a matilha do que não presta acaba sobrepondo a gente do bem. Mesmo a ação energicamente necessária da polícia, acaba não vencendo a balburdia de criminosos “fantasiados” de desordeiros.

Para essa caterva não há acordo, TAC ou decreto e em muitos casos, nem gás pimenta ou bala de borracha que desperte a educação e a civilidade. A Polícia Militar e a Guarda Municipal fizeram o que tinham que fazer diante de tamanha balbúrdia cometida por falsos foliões dispostos a simplesmente denegrir a grande maioria que ali foi para simplesmente se divertir.

Latas, garrafas de vidro e preservativos usados parte do “saldo” da desordem

Não fosse a pronta ação da Polícia Militar e da Guarda Municipal, com certeza hoje não haveria tijolo sobre tijolo no local da festa e imediações. Estaríamos contando mortos e feridos além de destruição ainda maior. Por essas e por outras que esse precisa ter sido o último carnaval no complexo ferroviário. A festa deve sim continuar, mas com certeza em local onde não exista o risco de ocorrer o que ocorreu nesse carnaval na região ferroviária.

E a “festa” acabou às 22h, para protesto de alguns. Imagine o que amanheceria ali se tivesse sido estendida até o final da madruga. Com certeza teria muito “festeiro” criticando a moleza das autoridades. O mais importante é lembrar que não são os integrantes de cordões ou blocos que ali se divertem os autores da destruição, mas os infiltrados que para vão foram única e exclusivamente com a finalidade de demonstrar a única coisa que conseguem fazer.

Se Carnaval continuar na esplanada, no próximo Maria Fumaça poderá ser derrubada de rodas para cima.