Marcelo Vargas deixa Delegacia Geral da Polícia Civil de Mato Grosso do...

Marcelo Vargas deixa Delegacia Geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul

COMPARTILHAR
Delegado Marcelo Vargas deixa DGPC e aposenta..

O delegado Marcelo Vargas Lopes deixa nesta segunda-feira (21), a direção da Delegacia Geral de Polícia Civil de Mato Grosso do Sul – DGPC, onde esteve por quase cinco anos. O delegado é um dos atingidos com a chamada Mudanças Estruturais do Governo de Mato Grosso do Sul que serão anunciadas pela manhã. Foram 31 anos e 28 dias de efetiva atuação na Segurança Pública.

Aprovado em concurso público para delegado de polícia, Marcelo Vargas Lopes cursou a então AESP – Academia Estadual de Segurança Pública, hoje Academia de Polícia Civil. Ao concluir com louvor o curso de formação, Delegado Marcelo Vargas passou a atuar em diversas delegacias de Campo Grande como plantão, não demorando por conta de seus conhecimentos trazidos da faculdade de direito e da Academia, passou a galgar prestigio junto a diretores de Departamentos, Diretoria Geral, colegas e logo entrando nos quadros de delegado adjunto e por fim titular.

Marcelo Vargas dirigiu quase todas delegacias de Campo Grande, especializadas ou não. Antes de assumir a Delegacia Geral, ele foi designado para dirigir o GARRAS – Equipe Especial de multimissão da Polícia Civil atuando nas áreas mais difíceis da Segurança Pública.

Ali ele ampliou conhecimentos dos comandados, muita especialização fazendo com que hoje o GARRAS seja setor que não atue apenas em casos de sequestros ou roubo a banco, como foi seu formato inicial, mas em toda ação que exigir trabalho especializado, investigação com o máximo de técnica e qualidade. É o GARRAS preparado com muito esforço de titular em parceria dos policiais integrantes chamados ao ideal apresentado pelo então titular Marcelo Vargas.

O resultado da luta de todos ali lotados, dos superiores na retaguarda, dos que lá estiveram, são as centenas de casos esclarecidos, crimes de repercussão nacional, criminosos presos pagando por seus crimes. Outros, não conseguiram pagar pois optaram pela violência, a reação e assim perderam a vida.