Ocupantes de blindado viveram momentos de terror durante ataque na MS-165

Ocupantes de blindado viveram momentos de terror durante ataque na MS-165

COMPARTILHAR
Jeep estava equipado com chaça de aço para apoiar armas de guerra.

Tripulantes do carro forte da Brinks assaltado na manhã desta segunda-feira (2) na rodovia MS-156, viveram momentos de terror com a ação dos assaltantes que após ultrapassagem passaram a disparar muitos tiros de fuzil contra o blindado, atingindo principalmente motor. Uma bala chegou atingir o para-brisa do lado direito, mas não conseguiu romper a blindagem.

Ainda no local do ataque os tripulantes relataram a policiais que trafegavam normalmente no sentido Caarapó/Amambai quando foram ultrapassados por um Jeep Renegade branco, placas de Florianópolis, Santa Catarina, que logo após a ultrapassagem o condutor passou a frear, despertando a atenção dos vigilantes.

Restos de material explosivo que não funcionou.

Ao mesmo tempo das frenagens, os ocupantes do veículo passaram a atirar com fuzis contra o blindado atingindo motor e pneus. Em meio a fuzilaria, aparentemente até de arma calibre 50, o motorista do carro-forte conseguiu efetuar uma manobra evasiva e mesmo com os pneus estourados, tirou o blindado da pista, descendo um barranco às margens da rodovia.

Ainda conforme relato dos vigilantes, no momento que o blindado parou eles conseguiram sair do veículo e fugiram pela pastagem até uma propriedade nas proximidades onde se abrigaram. Ao abandonar o carro forte, o motorista conseguiu bater a porta que só abre através de chave, ou por dentro.

Enquanto os seguranças fugiam, os assaltantes gritavam que voltassem e quando perceberam que ninguém voltaria, passaram a atirar na direção deles. Ninguém ficou ferido gravemente, apenas um segurança teve pequeno ferimento no rosto, possivelmente pancada durante as manobras do veículo.

Com os vigilantes distantes e sem acesso por conta da porta trancada, os ladrões instalaram explosivos e tentaram, sem sucesso, explodir a porta lateral do carro-forte. A manobra não deu certo e como não conseguiram estourar a blindagem, na avaliação da polícia, preocupados com o grande fluxo de veículos por ali trafegando, resolveram abandonar o plano criminoso.

Com os primeiros levantamentos, a polícia apurou que entre cinco a oito indivíduos fortemente armados, inclusive com fuzis, atuaram no ataque. Inicialmente abordaram e renderam um caminhoneiro que passava pelo local e fugiram no caminhão levando o motorista como refém, mas antes atearam fogo no Jeep Renegade, que na parte traseira, tinha instalada uma chapa de aço, com furos em forma de triângulos, local por onde os assaltantes teriam apoiado os fuzis ou metralhadoras para atirar contra o carro-forte.

Reprise

A tática de hoje foi a mesma empregada por assaltantes em junho de 2017, quando instalaram uma placa de aço em uma Renault Duster, que também acabou abandonada e incendiada pelo bando. Segundo a Polícia Civil de Amambai, que a princípio atua no caso, os criminosos se deslocaram com o caminhão por cerca de 4 quilômetros, quando abordaram um Citroën C-4 Pallas, preto, pertencente a um morador em Amambai, que seguia para Dourados com um passageiro, e ambos foram obrigados a abandonar o veículo em seguida roubado pelos quadrilheiros.

Uma caminhonete Mitsubishi Triton, prata, sob suspeita de estar sendo usada no assalto, foi apreendida pela Polícia Militar de Amambai, após ser abandonada momentos após o assalto na mesma MS-156, quando o motorista, ao perceber movimentação policial teria fugido a pé em direção a uma mata.

Um grande efetivo policial atua na região na tentativa de localizar os quadrilheiros. De Dourados seguiram equipes do DOF/Defron, de Campo Grande seguiram policiais do GARRAS, BOPE e GPA com helicóptero para apoio às buscas.