Operação da Polícia Federal ataca “esquadrilha aérea” do tráfico na Fronteira

Operação da Polícia Federal ataca “esquadrilha aérea” do tráfico na Fronteira

COMPARTILHAR
"Esquadrilha do Crime" agora hangarada.

Antônio Coca

Depois de um longo trabalho de investigação que contou com a participação com investigação do Centro Integrado de Operações de Fronteira de Foz do Iguaçu (PR), da Receita Federal do Brasil, por meio do Núcleo de Pesquisa e Investigação de Campo Grande, da Agência Nacional de Aviação Civil da Polícia Nacional Paraguaia e do Ministério Público daquele país, a Polícia Federal deflagrou nesta manhã a Operação Cavok de combate ao tráfico internacional de drogas.

Aéro tráfico proporcionava paraísos ao membros do grupo.

Sediada em Ponta Porã, o objetivo da ação é desarticular economicamente uma organização criminosa dedicada ao tráfico internacional de drogas atuante na fronteira entre os dois países e utiliza de pequenas aeronaves para fazer o transporte da droga e movimenta milhões de reais com a atividade.

Cerca de cento e dez policiais federais participam da operação, que conta com o apoio do SAEG – Serviço Aéreo do Estado de Goiás, da Polícia Militar de Goiás e da Delegacia de Combate ao Crime Organizado (DECO) da Polícia Civil do Mato Grosso do Sul, para o cumprimento de vinte e um mandados de busca e apreensão. Foram cumpridos também dois mandados de prisão preventiva, um em Goiânia e um em Ponta Porã, onde ainda foi efetuada uma prisão em flagrante por posse de arma.

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Federal de Ponta Porã e englobam ainda o sequestro de 23 aeronaves de pequeno porte, as quais eram utilizadas pelo grupo para o transporte das drogas a partir dos países vizinhos, além de três imóveis rurais e um de apartamento de luxo, todos localizados no estado de Goiás e se encontram avaliados em aproximadamente R$ 40 milhões.

Segundo a Polícia Federal, durante as investigações no dia 24 de novembro do ano passado uma aeronave foi interceptada em Fortuna Guazú a cerca de 45 quilômetros de Pedro Juan com 130 quilos de cocaína, mas o piloto conseguiu fugir dos agentes da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai, SENAD.

A sigla CAVOK (Ceiling and Visibility OK) é utilizada no meio aeronáutico para definir situação em que há boas condições de teto e visibilidade, ou seja, boas condições de voo. Os investigados poderão ser indiciados pela prática dos crimes de organização criminosa, tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e falsidade ideológica, cujas penas somadas podem ultrapassar 40 anos de reclusão.

Frota de aviões do esquema proporcionava mobilidade permanente.