PM de Dourados faz a maior apreensão de Crack na cidade

PM de Dourados faz a maior apreensão de Crack na cidade

COMPARTILHAR

Policiais da Força Tática do 3º BPM de Dourados prenderam nesse fim de semana, o foragido Cleomar Antônio Correia (35), o “Tchê”, apanhado em flagrante no tráfico de droga e em poder de grande quantidade de Crack, a droga da morte. A prisão ocorreu após monitoramento por uma das equipes da ALI (Agência Local de Inteligência) a um endereço no Jardim Piratininga, onde diversas denúncias indicavam o funcionamento de um ponto de venda e distribuição de drogas.

Confirmada a movimentação de viciados no local, uma equipe da Força Tática foi acionada para abordagem de um indivíduo que a princípio mentiu o nome, mas logo foi identificado como o foragido Cleomar, ou “Tchê”.

Maior quantidade 

Cleomar estava foragido

Vistoriando a residência, os policiais localizaram sobre uma mesa, várias porções de Crack na forma bruta que totalizaram 3,5 quilos da droga, juntamente com um balança de precisão, R$ 805 em dinheiro (notas pequenas), um prato e uma faca onde a droga estaria sendo fracionada. Também foram encontrados diversos objetos como TV’s, celulares, cartões de credito, documentos pessoais e documentos de veículos, provavelmente utilizados na troca por drogas.

Foragido

Contra Cleomar foi constatado um mandado de prisão emitido pela 3ª Vara Criminal de Dourados, motivo pelo qual inicialmente o acusado teria mentido o verdadeiro nome.

O Crack da morte

Para a produção do crack, uma mistura de cocaína em pó (ainda não purificada ou rejeito) dissolvida em água e acrescida de bicarbonato de sódio (ou amônia) é aquecida. O aquecimento separa a parte sólida da liquida. Após a parte sólida secar, é cortada em forma de pedras.

Por não passar pelo processo final de refinamento pelo qual passa a cocaína, o crack, possui uma grande quantidade de resíduos das substâncias utilizadas durante todo o processo, que é extremamente prejudicial à saúde, podendo seu uso resultar em morte.

Valor

De acordo com a Polícia Militar, o valor estimado da apreensão está em torno de R$ 50mil e a quantidade de apreendida seria suficiente para o preparo de mais de 10 mil pedras (porções) e “atender” cerca aproximadamente 5 mil usuários.

Quantidade “atenderia” milhares de usuários