Polícia Civil de MT apreende carga de três toneladas de explosivo

Polícia Civil de MT apreende carga de três toneladas de explosivo

COMPARTILHAR
Carga explosiva em meio a soja. (Fotos: Divulgação/PCMT

Uma carga de aproximadamente três toneladas de explosivos e acessórios iniciadores foi apreendida pela Polícia Civil de Mato Grosso, em ação da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na noite dessa quinta-feira (29), em Peixoto de Azevedo.

Os explosivos não possuem identificação ou documentação e estavam sendo transportados em uma carreta bitrem, em meio a uma carga de soja. O motorista da carreta foi preso em flagrante enquadrado na Lei de Desarmamento.

A equipe da GCCO levantou informação de que um veículo estava transportando grande quantidade de explosivos trafegava pela região norte do estado. Rapidamente os policiais iniciaram operações conseguindo identificar e fazer o acompanhamento da carreta abordada na entrada da cidade de Peixoto de Azevedo.

Com a vistoria na carga, foi encontrado no meio do carregamento de soja, vários sacos com explosivos e acessórios iniciadores, totalizando aproximadamente 6,2 mil emulsões explosivas. O carreteiro foi preso e encaminhado para Delegacia de Guarantã do Norte onde foi autuado em flagrante pelos delegados Edmundo Félix de Barros Filho e Victor Hugo Caetano de Freitas, acompanhados pelo delegado regional
Geraldo Gezoni Filho.

A equipe da Gerência de Operações Especiais (GOE) que atua com manuseio de material explosivo foi acionada e está na cidade para fazer o transporte do material com segurança para Cuiabá. Os explosivos devem ser encaminhados ao Exército para as providências cabíveis.

Segundo o delegado titular da GCCO, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, há indícios de que o material seria utilizado na prática de roubos a instituições financeiras e de transporte de valores, bem como em garimpos clandestinos das regiões centro e norte do país.

“A GCCO dará continuidade as investigações com o objetivo de esclarecer totalmente os fatos, da onde saiu o material ilícito e para onde iria, mas sabemos que é bem comum o uso desse tipo de artefato por associações criminosas envolvidos nesses tipos de crimes”, disse o delegado.

Sacos para embalar açúcar pode ser pista da origem.