Polícia Civil desmente boatos sobre morte de adolescente e alerta sobre risco...

Polícia Civil desmente boatos sobre morte de adolescente e alerta sobre risco das fake news

COMPARTILHAR

Em 15 de junho deste ano, um adolescente foi encontrado morto em Antônio João, pendurado por corda em uma árvore, em aparente situação de enforcamento. Tanto a perícia técnica quanto equipe de investigação da delegacia compareceram ao local para apurar as circunstâncias da morte, verificando eventuais sinais de violência nas imediações da cena e entrevistando moradores do local.

Conforme o delegado Patrick Linares da Costa, titular da DP de Antônio João, detalha ao Portal Notícias de Ponta, desde o início das investigações, as características dos elementos de informação coletados indicavam a ocorrência de morte por suicídio decorrente de enforcamento. Ocorre que, antes mesmo de qualquer constatação oficial por parte da investigação, que manteve o sigilo necessário à preservação da dignidade da vítima e da efetividade dos resultados das diligências, começaram a circular notícias falsas de que o adolescente teria sido assassinado e q polícia estaria tratando o caso como suicídio.

Segundo as informações inverídicas publicadas, estaria ocorrendo uma investigação como suicídio por suposto preconceito em razão de a vítima ser indígena, o que levaria a polícia a não querer realizar diligências no interior da aldeia. A autoridade lembra que as versões levadas a público foram das mais absurdas, tais como as que diziam que a vítima teria sido colocada no local com o pescoço quebrado ou a de que alguém teria bebido seu sangue antes de matá-lo.

Tais boatos chegaram a circular, inclusive, em sites de grande potencial de difusão midiática sem que fossem informados quaisquer elementos pela Polícia Civil. A falsidade dos informes restou rechaçada pelos relatórios de investigação, que apontaram o contato direto com moradores do local, realizando-se entrevistas com testemunhas e lideranças da aldeia capazes de elucidar o que havia realmente acontecido. Houve entrevista com a mãe da vítima nos dias imediatamente subsequentes ao fato, além de buscas por possíveis suspeitos, não sendo constatado qualquer elemento verossímil no sentido de que a morte teria sido causada por algum homicida. As lideranças da aldeia informaram, inclusive, que a vítima era uma pessoa tranquila e sem inimizades.

Corroborando com as investigações, os laudos de exame de local de crime constataram não haver qualquer sinal de violência externa, luta corporal ou arrastamento do corpo que foi encontrado pendurado. Desse modo a investigação refutou a possibilidade de que pudesse ter sido armada a cena de um crime contra a vida para camuflá-lo como suicídio. Ademais, o exame necroscópico foi contundente ao apontar a causa da morte como asfixia mecânica decorrente de enforcamento.

O delegado Patrick relata que as investigações foram realizadas com a colaboração dos habitantes da aldeia, que prestaram as informações solicitadas para o esclarecimento da ocorrência, que teve sua linha investigativa confirmada pelos exames técnicos pertinentes.

Ainda segundo o delegado, a difusão de informações falsas, que se propagam com velocidade incontrolável, tem sido um grande problema para a população, que muitas vezes acaba acreditando nas mentiras propagadas e repassando sem verificar a idoneidade dos dados, gerando uma indevida crença de que o trabalho das instituições estaria em desacordo com a realidade dos fatos.

Fonte: Polícia Civil de Antônio João