Polícia Civil esclarece latrocínio de sitiante em Vila Vargas. Filha da vítima...

Polícia Civil esclarece latrocínio de sitiante em Vila Vargas. Filha da vítima planejou tudo

COMPARTILHAR
Foto:Adilson Domingos/Arquivo

Antônio Coca

O Setor de Investigações da Polícia Civil de Dourados (SIG) esclareceu esta semana o crime de latrocínio ou seja, roubo seguido de morte do sitiante Ireno Dias dos Santos de 70 anos, assassinado na noite de 30 de agosto na região da 5ª Linha no distrito de Vila Vargas. Ireno foi morto com diversos tiros e da propriedade rural dele foi levado um cofre com uma grande quantia em dinheiro.

Segundo o delegado Erasmo Cubas, uma filha da vítima teria armado toda a trama que contou com a participação de um amante dela que seria um dos executores do latrocínio. A mulher e o amante estão presos preventivamente e pelo menos mais duas pessoas estão sendo procuradas.

De acordo com o policial, Irene Márcia Teodoro dos Santos, teria planejado a morte do pai e esteve na hora do crime com Adaias Oliveira da Silva de 30 anos, com quem tinha um relacionamento amoroso. Porém a mulher teria ficado dentro do carro enquanto o pai era espancado e depois assassinado.

Um neto de Ireno que estava com ele no sítio foi “poupado” pelos criminosos e teria passado algumas informações aos investigadores, mas contradições no depoimento de Irene e o fato dela e o amante terem formatado os aparelhos de telefone celular depois do crime, chamaram a atenção e com isso eles foram colocados como prioridade na investigação.

A filha de Ireno, também teria pedido para uma pessoa próxima a ela confirmar a versão que tinha dado para a polícia e com isso ela teria um álibi, mas a testemunha confirmou na delegacia que a mulher tinha inventado a versão.

Imagens da mulher e o amante deixando Dourados na noite do crime e do casal entrando em um dos motéis da cidade, também ajudaram a montar o quebra-cabeças. Na casa de Adaias foi encontrado uma arma e roupas camufladas, munições e toucas. Estas roupas batem com a descrição do garoto que estava com o avô. Ele disse que os homens que entraram no sitio usavam estes trajes.

Na presença do advogado, Adaias confessou o crime e contou da participação de Irene. Parte do dinheiro roubado foi encontrado na conta dele e a polícia ainda não sabe o valor exato de quanto foi roubado. As pessoas que estão sendo procuradas por também participarem do crime não tiveram os nomes divulgados. O caso continua em investigação.