Polícia Civil identifica autores de execução a mando de facção criminosa em...

Polícia Civil identifica autores de execução a mando de facção criminosa em Corumbá

COMPARTILHAR
Tornozeleira foi a primeira pista para a polícia. (Fotos: Divulgação)

Na última sexta-feira (8), a Polícia Civil de Corumbá, em ação apoiada pela Polícia Militar, identificou quatro homens envolvidos em uma execução na modalidade conhecida como tribunal do crime, cometida por ordem de facção criminosa. No dia 2 de fevereiro a Polícia Civil Judiciária, foi acionada para atender e investigar crime em que a vítima foi morta com as mãos amarradas, recebeu diversos golpes de faca e teve a cabeça decepada com facão canavieiro.

No andamento das investigações, a vítima foi identificada como sendo Gerson Surubi Arteaga, de 24 anos. Em seguida através das redes sociais, os investigadores tiveram acesso a um vídeo contendo imagens da execução, vídeo em que era possível constatar a presença de três indivíduos golpeando a vítima com facões, além de mais um indivíduo responsável pela filmagem do barbarismo. O responsável pela decapitação da vítima, usava tornozeleira eletrônica,

Mateus S. Alves

As investigações foram intensificadas e os policiais identificaram Mauro Rodrigues de Paula (28), o “Gordo”, como sendo um dos participantes da execução, responsável por levar os executores até o local do crime e garantir a fuga dos comparsas. Ao ser interrogado e dar sua versão para o caso, Mauro não só confessou seu envolvimento como delatou os demais envolvidos.

A partir de então a polícia identificou os coautores Mateus dos Santos Alves (23), o “Arcanjo”, Crisavano Jeimes Castedo de Souza (22), o “Velho” ou “Veio”, Robermauro Mercado Rocha (22), o “MR” ou “Maurinho”, e Douglas da Silva Oliveira, de 26 anos, o “Barro” ou “Maverick”, cujas características físicas são muito semelhantes à dos indivíduos responsáveis pela execução do crime.

Douglas da S. Oliveira

De acordo com a polícia, todos os envolvidos foram identificados como sendo membros da facção criminosa conhecida como PCC (Primeiro Comando da Capital) e provável motivação decorre de uma disputa territorial com a facção rival denominada CV (Comando Vermelho). Investigadores ainda trabalham na checagem de imagens e áudios que poderão levar a mais envolvidos.

 

Crisavano

O fato foi registrado como homicídio qualificado pelo motivo torpe e pelo emprego de meio cruel e que impossibilitou a defesa da vítima, e todos os envolvidos tiveram suas prisões preventivas decretadas pelo Poder Judiciário, após representação da Autoridade Policial.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, até o momento, somente Mauro foi preso, sendo os demais considerados foragidos da Justiça. A Polícia Civil pede o apoio da população para localizar os foragidos, através de denúncias perante a Ouvidoria da Polícia Civil e do telefone 181.

Com Assessoria/PCMS