Polícia Civil prende trio fazendo compras com RG de professor morto em...

Polícia Civil prende trio fazendo compras com RG de professor morto em Bonito

COMPARTILHAR
Armas e documentos para o crime (Divulgação/PC)

A Polícia Civil desmontou no final do dia e começo da noite dessa terça-feira (23), em Campo Grande, um esquema criminoso em que três homens se valiam de documentos em nome do professor e major do Exército Paulo Settervall, recentemente assassinado na cidade de Bonito, para fazer compras no comércio da Capita. Foram presos Ezio Miranda Fernandes (52), Jallyson Braga da Silva (30) e o irmão dele, Wallyson Braga da Silva, de 33 anos. O trio está autuado em flagrante de uso de documento falso, associação criminosa e posse ilegal de arma de fogo.

O esquema criminoso com uso de nome e documento da pessoa assassinada foi descoberto quando a Polícia Civil foi alertada sobre uma compra de motocicleta em concessionária de Campo Grande. Equipes do GOI – Grupo de Operações e Investigações foram acionadas e o primeiro indivíduo, Ezio, apanhado em flagrante com carteira de identidade em nome do professor. O indivíduo alegou ter comprado o documento de um desconhecido no Jardim Los Angeles.

Ezio disse que ao receber o RG com instruções para fazer compras no comércio, também foi orientado a entregar ou vender para Jallyson, os produtos adquiridos. De imediato Ezio comprou em nome do falecido, três televisores, um deles 50 polegadas na Casas Bahia. Questionado, Ezio disse apenas que conhecia a pessoa que comprara os televisores pelo apelido de “JAJA”, dono de uma loja de motos. Policiais do GOI seguiram em buscas e localizaram Jallyson que ao notar a chegada da polícia em sua residência na Rua Sergio Buarque de Holanda, no bairro Universitário, que mandou a esposa abrir o portão ao mesmo tempo que corria tentando fugir pelos fundos, mas foi capturado.

Na casa, a equipe do GOI apreendeu uma pistola calibre 380 e um dos televisores “comprado” por Ezio. Sob um sofá, estava ainda um celular que Jallyson tentou a todo custo esconder dos policiais. O preso apontou que a segunda televisão estaria com seu irmão Wallyson e que o mesmo teria lhe dado R$ 1.200 para a compra pois estaria sem dinheiro. Quando os policiais fizeram contato com Wallyson este disse que ganhou a televisão do irmão.

Já a motocicleta, seria comprada por R$ 16.832,48. Na Depac-Centro ao ser ouvido e autuado, Ezio disse ter comprado o RG em nome do falecido, para adquirir produtos e obter lucros com a venda, e que a pessoa que teria vendido o documento seria morador do bairro Los Angeles, reafirmando que essa pessoa indicou Jallyson para a venda dos produtos. Wallyson disse em depoimento que não emprestou dinheiro algum e apenas ganhou a televisão de seu irmão. O caso segue em investigação e deve levar a outros envolvidos.