Polícia Civil realiza fase II de operação contra o bando que vendia...

Polícia Civil realiza fase II de operação contra o bando que vendia veículos e peças em Nova Alvorada do Sul

COMPARTILHAR
Bando transformou pátio do Detran em "auto peças" e "revenda" de veículos.

A Polícia Civil, através da Delegacia de Nova Alvorada do Sul, com o apoio da Corregedoria de Trânsito do Detran/ MS, cumpriu na manhã desta terça-feira (3), 4 mandados de prisão e bloqueio de contas judiciais em desfavor de indivíduos que realizavam a venda e transferência ilegal de veículos e peças que estavam apreendidos no pátio do Detran em Nova Alvorada do Sul.

A segunda fase mirou os servidores que realizavam as ações criminosas, um intermediário e um contrabandista que rotineiramente corrompia os agentes públicos para ter seus veículos liberados mediante o pagamento de propina. No andamento do inquérito, foi levantado que a associação, composta por servidores do órgão e terceiros, não realizava a inserção dos veículos no sistema devido e, posteriormente, era feita a devolução ao possuidor do veículo (o qual muitas vezes não estava em condição de trafegar) mediante o pagamento de propina e sem o recolhimento dos débitos administrativos existentes.

Conclui-se ainda que quando o possuidor não efetivava o pagamento da propina, os veículos eram “depenados”, retirando peças de seu interior, as quais eram comercializadas a terceiros ou os próprios veículos eram vendidos a terceiros e transferidos mediante inserção de dados falsos. Para justificar o sumiço das peças, os servidores registravam falsos boletins de ocorrência noticiando furtos.

Seguindo, através de quebras de sigilo bancário, apurou-se que a movimentação do bando chegou a uma quantia suspeita superior a R$ 220. Mil. Os envolvidos foram indiciados pela prática de corrupção passiva e ativa, associação criminosa, peculato, inserção de dados falsos em sistema informático e fraude processual.

A operação foi denominada “Brutus” em referência a Marcus Junius Brutus, filho do imperador romano Júlio César, o qual, ao ser encurralado por seus conspiradores, percebeu que entre eles estava seu filho Brutus, emitindo a célebre frase “Até tu, Brutus?”.