Polícia paraguaia ainda não entregou menina sequestrada para polícia brasileira

Polícia paraguaia ainda não entregou menina sequestrada para polícia brasileira

COMPARTILHAR
Policiais brasileiros esperaram, mas voltaram de mãos abanando.

Antônio Coca

Policiais brasileiros que aguardavam a menina brasileira que foi sequestrada na madrugada de ontem (2) em Ponta Porã e localizada hoje na Colônia Estrela a cerca de 30 quilômetros de Pedro Juan Caballero voltaram para a Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM) de “mãos abanando”. É que as autoridades paraguaias resolveram submeter a menina ao exame de corpo de delito, a uma conversa com uma psicóloga forense e a uma audiência com o Ministério Público do Departamento de Amambay.

Uma policial que teve contato com a criança sequestrada por Juliano dos Santos Cabral depois de ter sido abusada sexualmente, disse ao Ponta Porã News que ele está bastante assustada e que o ideal seria traze-la para Ponta Porã, onde uma rede de assistência com psicólogos, médicos, assistentes sociais, conselheiros tutelares e policiais já está montada para recebe-la.

“Esta demora pode causar danos para a criança que já está fragilizada com tudo que aconteceu e traze-la para perto da família seria muito importante neste momento”, disse policial que pediu para não ser identificada.

Já a delegada da Delegacia de Atendimento à Mulher, Marianne Cristini de Souza, disse que as autoridades paraguaias estão cumprindo o protocolo para estes casos e querem saber se a menina sofreu abuso quando estava naquele país.

Marianne contou que o Consulado Brasileiro em Pedro Juan Caballero colocou um advogado à disposição e que assim que menina for entregue para as autoridades brasileiras ela vai encaminhar a crianças para a rede de assistência que foi montada. A delegada disse que esteve com a criança e que conversou pouco com ela, mas notou que ela está assustada com toda a situação e o ideal seria ela vir o mais rápido possível para o Brasil.

A policial disse que está analisando a conduta da mãe em relação ao abuso sofrido e ao sequestro da criança e somente depois vai definir se pede ou não a prisão dela ou uma medida cautelar. Em relação ao homem que foi preso com a criança a delegada disse que a prioridade neste momento é a menina e que a Polícia Nacional e as autoridades do Paraguai irão expulsa-lo do país se entenderem que ele não cometeu nenhum crime em território paraguaio e entregue para a polícia brasileira.

Juliano, o criminoso, também segue em mãos da polícia paraguaia.