Polícia tenta esclarecer crime em que homem foi morto com pauladas na...

Polícia tenta esclarecer crime em que homem foi morto com pauladas na cabeça

COMPARTILHAR
Caso registrado na Depac-Piratininga e investigado pelo GOI.

Policiais do GOI – Grupo de Operações e Investigações da Polícia Civil e militares, tentam levantar pistas e motivação para o assassinato de Rafael Gomes Alexandre (30), crime constatado no começo da noite dessa terça-feira (30), na casa da vítima, na Rua Graciana Maria do Rosário, Jardim Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Parque Rita Vieira. Aparentemente atingido com pancadas na cabeça, Rafael estava morto sobre a cama e enrolado da cabeça aos pés em um cobertor.

O crime foi constatado pouco antes de 19h quando Valdir Romano (51), que seria companheiro de Rafael, chegou na casa encontrando o portão e porta da cozinha apenas encostados. Ao entrar chamando pela vítima inclusive pelo apelido “Véio”, foi ao quarto onde encontrou o corpo enrolado no cobertor.

Assustado, Valdir chamou uma vizinha e esta a Polícia Militar e familiares da vítima. Ao atender o caso policiais militares e civis definiram que Rafael foi morto supostamente com pauladas na cabeça, mas a arma do crime não foi encontrada no local. Não havia sinais de violação dentro da residência e o caso foi registrado na Depac-Piratininga por onde corre a investigação.

Policiais do GOI – Grupo de Operações e Investigações da Polícia Civil e militares, tentam levantar pistas e motivação para o assassinato de Rafael Gomes Alexandre (30), crime constatado no começo da noite dessa terça-feira (30), na casa da vítima, na Rua Graciana Maria do Rosário, Jardim Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Parque Rita Vieira. Aparentemente atingido com pancadas na cabeça, Rafael estava morto sobre a cama e enrolado da cabeça aos pés em um cobertor.

O crime foi constatado pouco antes de 19h quando Valdir Romano (51), que seria companheiro de Rafael, chegou na casa encontrando o portão e porta da cozinha apenas encostados. Ao entrar chamando pela vítima inclusive pelo apelido “Véio”, foi ao quarto onde encontrou o corpo enrolado no cobertor.

Assustado, Valdir chamou uma vizinha e esta a Polícia Militar e familiares da vítima. Ao atender o caso policiais militares e civis definiram que Rafael foi morto supostamente com pauladas na cabeça, mas a arma do crime não foi encontrada no local. Não havia sinais de violação dentro da residência e o caso foi registrado na Depac-Piratininga por onde corre a investigação.